Plano para atacar Ossétia era antigo, diz georgiano

O presidente georgiano, Mikhail Saakashvili, planejou há muito tempo um ataque militar para retomar a região separatista da Ossétia do Sul, mas executou o plano de maneira canhestra, facilitando a retaliação da Rússia, revelou o ex-ministro da Defesa de Saakashvili, Irakli Okruashvili. A Geórgia lançou uma ofensiva na Ossétia do Sul em 6 de agosto e dois dias depois a Rússia saiu em defesa da região separatista.O ex-ministro, importante exilado político da Geórgia, disse numa entrevista no fim de semana em Paris que os Estados Unidos são em parte responsáveis pela guerra por não ter contido as ambições de um homem que, a seu ver, tem idéias falhas sobre democracia. Ele acha que, depois disso, os dias de Saakashvili na presidência estão contados. As observações do ex-ministro são importantes porque Saakashvili sempre sustentou que foi a Rússia quem começou a guerra ao invadir seu país. O presidente georgiano disse que entregou a líderes da União Européia na semana passada "provas muito fortes" de que a culpa foi de Moscou, embora não fornecesse detalhes. Mas Okruashvili, um ex-aliado de Saakashvili que serviu como ministro da Defesa de 2004 a 2006, disse que ele e o presidente trabalharam juntos em planos militares para invadir a Ossétia do Sul e a Abkázia, uma segunda região separatista na costa do Mar Negro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.