Joseph Eid/AFP
Joseph Eid/AFP

Plano para Síria está 'no caminho certo', diz porta-voz de Kofi Annan

Para Ahmad Fawzi, há sinais de melhoria, embora sejam lentos e limitados

AE, Agência Estado

04 Maio 2012 | 10h03

GENEBRA - O mediador internacional do conflito na Síria, o ex-secretário geral da ONU Kofi Annan, acredita que seu plano de paz para o país continua "no caminho certo", apesar do lento progresso na implementação do acordo de cessar-fogo que entrou em vigor em meados de abril, afirmou nesta sexta-feira, 4, o porta-voz de Annan, Ahmad Fawzi.

Veja também:

linkForças sírias matam quatro em ataque a universidade

linkSíria cometeu crimes de guerra antes da trégua imposta pela ONU, diz ONG

tabela ESPECIAL: Primavera Árabe

"O plano de Annan está no caminho certo e uma crise que se desenrola há mais de um ano não vai ser solucionada em um dia ou uma semana", disse Fawzi a jornalistas, em Genebra.

Segundo o porta-voz, há sinais de melhoria, embora sejam lentos e limitados. "Algumas armas pesadas foram retiradas, outras permanecem. Parte da violência recuou, parte dela continua. E isso não é satisfatório. Não estou dizendo que seja", comentou.

A avaliação veio um dia depois de Washington tornar pública uma visão mais sombria de que talvez esteja na hora de o mundo reconhecer que o cessar-fogo na Síria não está sendo respeitado e que a questão precisa ser abordada de outra maneira.

Fawzi também afirmou que subiu hoje para 50 o número de observadores da ONU que monitoram o cumprimento do cessar-fogo na Síria. O plano da entidade é ter até 300 monitores no país, cujo conflito teve início em março do ano passado, com um levante popular contra o regime do presidente Bashar Assad.

Enquanto isso, grupos de oposição sírios planejam fazer hoje manifestações em massa para protestar pela invasão por forças de segurança da Universidade de Aleppo, que deixou quatro estudantes mortos e levou ao fechamento da instituição, na quarta-feira. A cidade de Aleppo, no noroeste da Síria, é majoritariamente favorável ao regime de Assad.

As informações são da Associated Press e Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.