Planos de defesa do Japão têm China e ilhas disputadas como foco

O Japão vai criar uma nova unidade militar anfíbia e deslocar drones de vigilância não armados para a região Sudoeste, onde mantém atritos com a China sobre a posse de ilhas, de acordo com os novos planos de defesa do país, divulgados nesta quarta-feira.

KIYOSHI TAKENAKA, Reuters

11 de dezembro de 2013 | 10h52

O primeiro-ministro Shinzo Abe ordenou uma revisão na política de defesa depois de retornar ao cargo em dezembro do ano passado, prometendo fortalecer os militares e ampliar o papel do Japão na segurança global.

O novo plano de reforço militar e as diretrizes de defesa, a serem aprovados pelo governo na semana que vem, se segue à declaração da China, em novembro, de criação de uma nova zona de identificação de defesa aérea que inclui as ilhas disputadas, o que provocou protestos em Tóquio, bem como em Washington e Seul.

Os esboços dos dois planos foram divulgados em uma reunião de deputados do governista Partido Liberal-Democrático (PLD) e mostrados a repórteres.

As versões finais das diretrizes da defesa, que estabelecem a política de defesa do Japão nos próximos dez anos, e do plano de reforço militar, chamado de programa de defesa de médio prazo e que abrange um período de cinco anos, serão revelados na próxima terça-feira.

Citando preocupações do Japão com o que define como tentativas da China de mudar o status quo pelo uso da força, a diretriz diz que o Japão "vai responder calma e resolutamente à rápida expansão e estabelecimento de atividades aéreas e marítimas da China".

Numa amostra das tensões entre a segunda e a terceira maior economia do mundo, o Ministério de Relações Exteriores da China disse que o país não é uma ameaça para nenhuma nação e que está acompanhando as iniciativas do Japão.

"A China está acompanhando de perto a direção política e a estratégia de segurança do Japão. A crítica irracional do Japão às atividades marítimas normais da China e seu exagero sobre as ameaças da China ocultam motivos políticos", disse o porta-voz do ministério, Hong Lei, em seu contato diário com a imprensa.

Tudo o que sabemos sobre:
JAPAOCHINADEFESA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.