Plantando coragem na China

Uma sociedade só pode ser valente quando seus membros têm fé em justiça e direitos protegidos

O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2013 | 02h05

Em maio de 2008, um terremoto de 8 graus na escala Richter atingiu a China. No epicentro, em Wenchuan, Província de Sichuan, milhares de crianças perderam suas vidas. Muitas morreram em escolas que desabaram. Esses prédios foram construídos com padrões inferiores, para as empreiteiras e autoridades locais poderem desviar dinheiro à custa da segurança dos alunos. Quando visitei Wenchuan logo após o sismo, havia centenas de mochilas espalhadas pelo chão.

Quando vi aquelas mochilas, quis saber a quem pertenciam. Mas as autoridades chinesas usaram o desastre natural para evitar as questões da construção no câmpus, esquivando-se de uma explicação adequada sobre a morte dos alunos. Elas não forneceram nem uma contagem oficial dos mortos, nem as causas para o colapso das escolas. O grupo Investigação de Cidadãos foi criado para coletar informações sobre as crianças que morreram. Queríamos oferecer aos mortos ao menos o nível de respeito mais básico. O direito civil mais fundamental de qualquer pessoa é seu nome. Voluntários foram recrutados pelo meu blog e centenas enfrentaram grandes dificuldades para investigar. Apesar da devastação, conseguimos localizar pais e realizar entrevistas.

Durante nossas visitas, 25 voluntários encontraram 45 exemplos de intimidação policial, prisões, espancamentos e detenções. Em agosto de 2009, fui detido em Sichuan e espancado pela polícia. Sofri uma hemorragia cerebral e precisei fazer uma cirurgia de emergência quatro semanas depois. Apesar de todos esses contratempos e com a ajuda de muitas pessoas pela internet, completamos a lista com mais de 5 mil nomes, aniversários, endereços e informações escolares de alunos.

Uma pessoa corajosa é mais identificável em situações em que os dois lados de um confronto são desiguais em força e poder. É preciso coragem para indivíduos assumirem a defesa da parte mais fraca, mas ao expressarmos nossas crenças e posições, ganhamos coragem. A questão da contagem de mortos pode ser vista como politicamente intocável, mas nossa recusa em aceitar o silêncio do governo foi o apelo à mudança e um desafio aos que ocupam o poder.

Coragem não é uma entidade fixa que pertence a um momento isolado; ela se acumula e é testada ao longo do tempo. É preciso coragem para enfrentar um desafio. Esse processo, por sua vez, origina mais coragem.

Nossas experiências de vida reforçam nossa capacidade de compreender nossos papéis na sociedade e fortalecem nossa vontade de empreender novas ações. Uma sociedade só pode ter coragem quando seus membros têm fé em justiça e equidade e sabem que seus direitos constitucionais estão protegidos. A coragem civil nasce da abertura para a educação, o acesso à informação e o reconhecimento das forças de uma sociedade.

É digno de nota que uma autoridade do governo nos ajudou imensamente durante nossa investigação. Feng Xiang era vice-ministro do departamento de propaganda local no Condado de Beichuan. Ele perdeu seu filho no terremoto e foi pressionado pelo governo a não falar a verdade. Ele entregou secretamente a maioria dos nomes que coletamos naquela área, uma grande zona de desastre. Incapaz de suportar a perda do filho, Feng cometeu suicídio quase um ano depois do terremoto.

Após décadas de repressão à liberdade de expressão e aos direitos humanos básicos, as pessoas na China com frequência perdem a coragem. Suas vozes são regularmente ignoradas ou rejeitadas. É fácil se desencorajar nessas circunstâncias. Qualquer pessoa com o desejo de buscar a verdade hoje em dia na China é vista com frequência como estúpida e ingênua. Com essa pressão, é quase impossível encorajar pessoas a lutar por seus direitos.

É impossível apreciar a liberdade sem coragem. Uma pessoa sem a liberdade de iniciar questionamentos é como uma flor murchando. A coragem é o pré-requisito do bem-estar; é a luz solar e a umidade necessárias para prosperar na sociedade. / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.