Plebiscito aponta independência de Montenegro

O ministro do Exterior de Sérvia e Montenegro, Vuk Draskovic, pediu calma na noite deste domingo quando defensores da independência de Montenegro comemoraram a vitória em um referendo que decidirá a separação entre as duas repúblicas. Embora as primeiras pesquisas de boca-de-urna tenham apontando que 56,3% dos montenegrinos disseram "sim" à independência, os partidários da união entre os dois Estados se recusaram em conceder a derrota."Se a maioria do povo de Montenegro decidiu pela independência, então isto é algo que a Sérvia deverá aceitar", disse Draskovic em uma entrevista a uma rede de TV em Belgrado. "Este é um momento histórico não só para Montenegro, mas para a Sérvia como um todo."Faltando poucos minutos para o fechamento das urnas, um grupo independente de pesquisa informou que a maioria dos montenegrinos optaram pela separação.Logo após a divulgação da boca-de-urna, apoiadores dos anseios pró-independência saíram às ruas para celebrar a vitória, atirando para o alto e soltando fogos de artifício.Mas o líder da facção montenegrina anti-independência, Predrag Bulatovic, recusou-se em conceder a derrota, argumentando que seu grupo esperará até a divulgação dos resultados oficiais.Na Sérvia, onde o voto foi monitorado durante todo o dia com resignação, o gabinete do presidente Boris Tadic informou que o líder sérvio se pronunciará à nação na segunda-feira, depois da declaração do resultado do pleito por um mediador da União Européia."É essencial manter a calma neste momento", disse Draskovic CampanhaA campanha pela independência foi liderada pelo primeiro-ministro, Milo Djukanovic, que argumenta que ela traria uma integração mais rápida com a Europa e uma economia mais forte.Nos dias que antecederam a votação, milhares de montenegrinos que vivem no exterior viajaram de volta para poder votar. Com uma população de menos de 700 mil habitantes, os votos dos eleitores da diáspora podem decidir o destino da República.A última vez que Montenegro foi independente foi há quase 90 anos, ao final da Primeira Guerra Mundial. Pelo acordo para o plebiscito, no qual a União Européia teve uma importante participação, o bloco pró-independência precisa ter pelo menos 55% dos votos válidos para aprovar a separação.Uma das questões será o que ocorrerá se uma maioria votar pela independência, mas o piso de 55% não for atingido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.