PMI da indústria chinesa do HSBC atinge mínima em 6 meses em novembro

O crescimento no amplo setor fabril da China ficou estagnado em novembro, com a produção mostrando contração pela primeira vez em seis meses, mostrou nesta quinta-feira uma pesquisa privada, somando-se aos sinais de que aquela economia ainda pode estar perdendo tração.

REUTERS

20 de novembro de 2014 | 08h19

A preliminar do índice de gerentes de compras (PMI) HSBC/Markit recuou para 50 em novembro, mínima em seis meses, após marcar 50,4 na leitura final de outubro. O dado também ficou abaixo da previsão de analistas, de 50,3.

Uma leitura acima de 50 indica expansão, enquanto um número abaixo de 50 aponta contração em uma base mensal.

A divulgação é a mais recente de uma série de números fracos nas últimas semanas, fortalecendo o cenário para novos estímulos a fim de evitar uma desaceleração mais acentuada na segunda maior economia do mundo.

As novas encomendas mostraram leve recuperação, mas os novos pedidos de exportação recuaram acentuadamente. O subíndice da produção industrial ficou em 49, a primeira contração desde maio.

A medida de emprego também mostrou piora, com o subíndice passando a 48,4 ante 48,9 em outubro.

Tudo o que sabemos sobre:
CHINAPMI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.