Pobreza cresce na China pela primeira vez em 25 anos

O número de chineses vivendo na extrema pobreza aumentou pela primeira vez desde a introdução de reformas econômicas na China, há 25 anos. Desde o ano passado, segundo o índice oficial, cerca de 800 mil chineses passaram a viver na extrema pobreza, com rendimentos inferiores a US$ 77 (aproximadamente R$ 230) por ano.O índice é inferior à quantia que define internacionalmente a pobreza. De acordo com a imprensa estatal chinesa, o aumento da pobreza se deve à ocorrência de "desastres naturais".DesigualdadesA disparidade econômica entre a população rural e moradores das cidades também sofreu um aumento. A China possui uma longa história de rebeliões camponesas, e os dirigentes do país estão cientes dos riscos de tensões sociais.Os líderes chineses prometeram diminuir as diferenças sociais e "declararam guerra" à pobreza. Mas, de acordo com especialistas, a pobreza está bem espalhada pelo país, o que torna o combate difícil e caro.Os líderes chineses dizem ter conseguido retirar 220 milhões de pessoas da pobreza absoluta nos últimos 25 anos. Mas muitos dos métodos usados para alcançar isso, como a política do filho único, só são possíveis em um sistema político autoritário.

Agencia Estado,

20 de julho de 2004 | 11h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.