Polícia abre fogo durante protesto na Índia e oito morrem

Atividade integra campanha comunista para a distribuição de terras do governo para os pobres

REUTERS

28 Julho 2007 | 11h48

A polícia matou a tiros pelo menos oito manifestantes no sul da Índia no sábado, 28. As mortes puseram fim a um protesto que exigia terras para os pobres.   Centenas de manifestantes queimaram móveis em um escritório do governo em uma pequena cidade do Estado de Andhra Pradesh. Em seguida a polícia abriu fogo.   Na localidade, dois partidos comunistas promovem uma campanha para a distribuir as terras do governo para os pobres da cidade e do campo. O protesto integrou a manifestação que durou dia.   "Os manifestantes atacaram o escritório do tesouro regional e destruíram bens, levando à reação da polícia", disse o superintendente da polícia, R. K. Meena. Os manifestantes também atearam fogo a um veículo. Entre os mortos estava uma mulher. Dez pessoas ficaram feridas no tiroteio. Alguns dos líderes da campanha estão fazendo greve de fome há seis dias. Imagens transmitidas pela televisão mostraram policiais e manifestantes, entre os quais muitas mulheres, batendo-se com grandes pedaços de paus e mastros de bandeiras. Vários manifestantes caíram no chão e foram agredidos pela polícia. "A agitação dos manifestantes esquerdistas se tornou violenta com o incêndio de ônibus e ataques contra propriedades do governo em todo o Estado", disse o ministro de Assuntos Internos do Estado, K. Jana Reddy, a repórteres. As autoridades abriram processos contra líderes comunistas e prenderam milhares de ativistas de esquerda.

Mais conteúdo sobre:
MUNDO INDIA PROTESTO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.