Policia abre fogo em protesto afegão contra morte de civis

Oficiais afirmam que um manifestante foi ferido a bala e outros cinco tiveram ferimentos leves nos confrontos

Agências internacionais,

07 de maio de 2009 | 09h57

A policia afegã abriu fogo contra manifestantes nesta quinta-feira, 7, que protestavam contra a morte de civis durante um bombardeio americano no país, segundo afirmaram oficiais locais, militares dos EUA e investigadores afegãos. Pelo menos uma pessoa foi ferida a bala e outras cinco tiveram ferimentos leves durante os confrontos na frente do escritório do governo na província de Farah.

 

Armados com pedras, o grupo protestava contra a morte de civis nos vilarejos de Ganjabad e Ganjabad. O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) confirmou que as mortes foram causadas por "um bombardeio aéreo" americano, e mais de 130 pessoas podem ter morrido no incidente. Se os números forem confirmados, este será o pior massacre de civis afegãos por forças americanas nos últimos meses. A organização afirmou ainda que mulheres e crianças estão entre as dezenas de mortos.

 

Em Washington, a secretária de Estado americano, Hillary Clinton lamentou "profundamente" a morte de civis, mas evitou associá-las aos ataques americanos. "Não conhecemos todas as circunstâncias. Haverá uma investigação conjunta, dos governos do Afeganistão e dos EUA", disse Hillary. Os ataques contra a população devem aumentar a resistência dos líderes tribais às ações militares contra o Taleban e a Al-Qaeda numa região sensível, na fronteira com o Irã.

 

Funcionários do CICV que chegaram ao local do bombardeio na terça-feira disseram ter visto dezenas de corpos - incluindo o de mulheres e crianças -, mas a equipe não pôde determinar o número exato de mortos "porque muitos já tinham sido enterrados". Na segunda-feira, moradores do vilarejo de Granai levaram entre 20 e 25 corpos em caminhões para a sede do governo de Farah. Os EUA confirmaram o bombardeio aéreo do local, atendendo a um pedido de reforço enviado pelo Exército afegão, que combatia rebeldes taleban.

 

O comandante das forças americanas no Afeganistão, David McKiernan, disse que os combates em Farah começaram depois que militantes do Taleban atacaram no domingo postos da polícia em três vilarejos do Distrito de Bala Boluk. Mas McKiernan disse, sem dar detalhes, que possui "outras informações que levam a conclusões bem diferentes sobre a causa da morte dos civis".

 

Um funcionário americano de Defesa disse, sob condição de anonimato, que o Taleban fez um esforço para parecer que os ataques aéreos causaram as mortes dos civis - que, na verdade, teriam sido vítimas de granadas. Um segundo oficial dos EUA afirmou que um alto comandante Taleban teria ordenado o ataque.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.