Polícia acusará a maioria dos suspeitos de trama terrorista

A Polícia que investiga o suposto complô para derrubar aviões com rota entre o Reino Unido e os EUA acusará de forma "iminente" a maioria dos 23 detidos por estarem ligados à trama, publica neste domingo o jornal "The Sunday Telegraph".Segundo a publicação britânica, que cita fontes das forças de segurança, a Polícia se mostra "muito otimista" sobre a possibilidade de formular nos próximos dias as acusações contra os suspeitos.No entanto, alguns dos supostos terroristas ficarão em liberdade por falta de provas, admitiram as citadas fontes. "A informação dos serviços de inteligência não é uma prova e, embora essa informação sugira que alguns dos suspeitos estavam implicados na conspiração, fica por averiguar se há provas contra todos", afirmaram as fontes.Por outro lado, o MI5, serviço de espionagem interior do Reino Unido, está convencido de que a suposta trama terrorista desarticulada no último dia 10 foi coordenada por membros da rede Al Qaeda, segundo fontes governamentais consultadas pelo jornal.Atualmente, a Polícia interroga 23 pessoas (todos britânicos e a maioria de origem paquistanesa) detidas no dia 10 de agosto em várias operações em Londres, Birmingham (centro da Inglaterra) e Buckinghamshire (nos arredores da capital), em conexão com a trama.A Scotland Yard (Polícia Metropolitana) vincula a esses suspeitos uma suposta conspiração para usar explosivos líquidos camuflados em bagagens de mão em até dez aviões que voariam do Reino Unido aos EUA.A Polícia conseguiu nesta semana a permissão judicial para prorrogar por vários dias a custódia dos detidos, de modo que 21 suspeitos poderão ser interrogados até a próxima quarta-feira, sendo que os dois restantes seriam ouvidos até segunda-feira.Segundo a legislação britânica, a Scotland Yard pode deter esses supostos terroristas por um período máximo de 28 dias desde a data da prisão. Uma vez expirado esse prazo, a Polícia precisa formular acusações contra os suspeitos ou colocar-lhes em liberdade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.