Polícia afasta 4 oficiais após sequestro de ônibus nas Filipinas

Operação de tentativa de resgate desastrada terminou na morte de oito turistas

Efe

25 de agosto de 2010 | 04h47

MANILA - A chefia da polícia filipina afastou nesta quarta-feira, 25, do serviço quatro dos oficiais que estiveram à frente da polêmica operação que terminou com a morte de oito reféns dos 25 que foram sequestrados a bordo de um ônibus em Manila.

O chefe superior do departamento, Agrimero Cruz, não identificou os quatro oficiais da polícia, que, segundo disse, permanecerão afastados do serviço até que "sejam conhecidos os resultados" da investigação interna sobre o desenvolvimento da atuação.

A polícia admitiu na terça-feira que houve erros na execução da estratégia para encerrar o sequestro realizado no dia anterior por um ex-oficial do corpo policial com um fuzil, e que foi transmitido ao vivo por canais de televisão de todo o mundo.

Cerca de duas dezenas de soldados da unidade de intervenção imediata da polícia abortaram uma tentativa de penetrar no interior do ônibus quando o sequestrador abriu fogo, e durante aproximadamente uma hora aguardaram do lado de fora do veículo.

A atuação policial para encerrar um sequestro que durou cerca de 12 horas e que terminou quando o sequestrador foi morto por um disparo, foi duramente criticada pelos governos de Pequim e Hong Kong, que nesta quarta repatriou os corpos das oito vítimas e os sobreviventes.

O presidente filipino, Benigno Aquino, defendeu na terça-feira a atuação da Polícia após a repulsa de Hong Kong e Pequim, embora tenha ordenado a abertura de uma investigação sobre a gestão policial da crise.

O sequestrador, Rolando Mendoza, de 55 anos e ex-capitão condecorado em dez ocasiões, pretendia ser readmitido na polícia e queria a revisão do caso que causou seu afastamento da corporação, em 2008, após ser envolvido em um escândalo de robo e tráfico de drogas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.