Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

Polícia afirma que autor de massacre em Dallas planejava um ataque maior

Policiais fizeram inspeções na casa de Micah Xavier Johnson e encontraram materiais para fabricação de bombas que poderiam causar ‘efeitos devastadores’ na cidade

O Estado de S.Paulo

10 de julho de 2016 | 15h26

DALLAS, EUA - O franco-atirador que matou cinco policiais na semana passada durante um protesto em Dallas contra os abusos sofridos por negros em abordagens policiais planejava realizar ataques maiores, informou neste domingo, 10, o chefe de polícia local ao divulgar novos detalhes da investigação a partir do material encontrado na casa do veterano da guerra no Afeganistão. 

Segundo David Brown, Micah Xavier Jonhson, negro, de 25 anos, possuía em sua casa materiais para a fabricação de bombas e vinha praticando como realizar explosões. “A quantidade de explosivos que ele tinha era capaz de causar efeitos devastadores em toda a nossa cidade (Dallas) e na área norte do Texas. Estamos convencidos de que este suspeito tinha outros planos e pensou que o que estava fazendo era certo”, afirmou o chefe de polícia. 

Enquanto negociava com os policiais, Johnson cantava e ria, e antes de ser morto por uma bomba remota escreveu mensagens com o próprio sangue na parede, disse Brown. “Ele queria nos fazer pagar pelo que via como abuso de autoridade para punir pessoas negras”, acrescentou o policial, citando os casos dos dois homens negros mortos dias antes em Louisiana e Minnesota. 

As cenas de violência durante o ataque de Johnson no Texas provocaram o temor de um novo e difícil capítulo nas relações raciais nos Estados Unidos. Durante a noite de sábado, novos protestos ocorreram em diversas cidades do país com o lema “o fim da semana da raiva”. 

O grupo “Black Lives Matter” liderou alguns desses protestos e fez questão de se distanciar do caso de Johnson em Dallas, lembrando que a razão de existir do grupo é “reduzir a violência, não escalá-la”.

Cerca de 200 pessoas foram detidas e cinco policiais tiveram ferimentos leves nos protestos. A maior tensão aconteceu em Saint Paul, em Minnesota, onde um conflito entre polícia e manifestantes bloqueou rodovias e terminou com 50 detidos. A polícia usou bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo para dispersar a concentração, e informou que pelo menos cinco policiais ficaram levemente feridos por fogos de artifício, pedras e garrafas arremessados por manifestantes. 

Um famoso ativista do movimento “Black Lives Matter”, DeRay McKesson filmou a própria detenção no sábado à noite em Baton Rouge, Louisiana, quando transmitia a passeata ao vivo pelo Periscope. “A polícia nos provocou durante toda a noite. Nós não bloqueamos a rua ou qualquer outra coisa”, afirma ele no vídeo. 

Em seguida, a imagem é interrompida e é possível ouvir: “Polícia da cidade. Você está preso, não resista”. Outro ativista pega o celular e retoma o vídeo ao questionar o policial sobre o motivo da detenção de McKesson, acusado de bloquear a passagem. Ele foi libertado após passar a noite na prisão.

Em Dallas, equipes táticas da Swat foram enviadas ao QG da polícia após uma ameaça e buscas foram feitas no estacionamento do local, mas nada foi encontrado e o alerta foi suspenso duas horas depois. 

Centenas de pessoas voltaram a se reunir em Nova York no sábado, pela terceira noite consecutiva, para repudiar a violência policial contra os negros e recordar Alton Sterling e Philando Castile, os dois homens mortos por policiais em Louisiana e em Minnesota.

Em Phoenix, Arizona, a polícia dispersou os manifestantes que atiravam pedras. E em Rochester, Nova York, 74 pessoas foram detidas. 

Movimentação. O presidente Barack Obama afirmou que os EUA devem superar o momento e rejeitou comparações com a situação do país nos anos 1960, marcado pela agitação social e o racismo. Obama, que encurtou a viagem pela Espanha e visitará Dallas na terça-feira, descreveu Johnson como um “lobo solitário” que não representa os afro-americanos. “Os EUA não estão tão divididos como alguns sugerem”, disse após uma reunião da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte). O presidente alertou que ataques contra policiais por viés racista prejudicam o movimento “Black Lives Matter”. Segundo ele, apesar de a maioria dos ativistas querer uma relação melhor entre as comunidades e policiais, violência e críticas exageradas contra a polícia ferem a ideologia do grupo.

“Quero dizer a todos os que estão preocupados com um viés racista no sistema criminal de justiça que manter um tom sincero e respeitoso ajudará a mobilizar a sociedade para realizar a verdadeira mudança”, disse Obama. Em visita a Dallas, ele fará um discurso em homenagem aos policiais mortos na semana passada. /AFP, EFE e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.