Polícia alemã detém um suspeito em complô terrorista

A Polícia alemã deteve neste sábado um estudante libanês, de 22 anos, na estação ferroviária central de Kiel, no norte da Alemanha, que pode estar relacionada com os atentados fracassados de 31 de julho em dois trens regionais no estado da Renânia do Norte-Westfália, segundo a rede de televisão N-TV.O detido é, segundo o jornal "Bild am Sonntag", um dos dois suspeitos procurados pelo Escritório de Investigação Criminal (BKA) e cujas fotos foram distribuídas sexta-feira pela Polícia alemã. A procuradora-geral federal alemã, Monika Harms, disse em entrevista coletiva em Karslruhe que a Polícia conseguiu identificar o estudante libanês graças às impressões digitais encontradas na mala que continha a bomba, que não explodiu. O suspeito passou por exames de DNA para confirmar ser a pessoa que a polícia procurava.A Polícia alemã isolou neste sábado a estação central ferroviária de Kiel, que ficou isolada durante cinco horas por causa das investigações da BKA. Após a intervenção policial, o tráfego ferroviário voltou ao normal esta manhã.Jörg Ziercke, presidente BKA aplaudiu o trabalho realizado pela polícia, mas advertiu que o segundo suspeito de colocar outra bomba no mesmo dia em outro trem regional alemão continua livre. "Não sabemos como reagirá o segundo suspeito" quando souber da detenção do estudante libanês em Kiel, disse Ziercke.A BKA distribuiu na sexta-feira vídeos e fotos de dois suspeitos dos atentados fracassados de fim de julho no estado da Renânia do Norte-Westfália.As imagens haviam sido gravadas pelas câmaras de vigilância da estação de Colônia, no oeste do país. Elas mostravam dois suspeitos, dois homens entre 20 e 30 anos de idade, transportando malas com rodas.As malas utilizadas nos atentados fracassados de 31 de julho foram achadas num trem que ia de Aachen a Hamm e em outro que saía de Mönchengladbach, rumo a Koblenz. As bombas não explodiram devido a um erro de manipulação, segundo a Polícia alemã, o que evitou um massacre.A BKA ofereceu uma recompensa de 50 mil euros (US$ 64 mil) por pistas que possam levar à detenção dos suspeitos.Atualizada às 14h15

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.