Polícia alemã investiga médico que teria dado heroína a pacientes

Duas pessoas morreram e uma ficou em coma após terapia de grupo em Berlim.

BBC Brasil, BBC

20 de setembro de 2009 | 18h39

A polícia alemã prendeu um médico neste domingo depois que duas pessoas morreram e uma entrou em coma em uma terapia em grupo em Berlim. O médico é acusado de prescrever o uso de drogas ilícitas às pessoas do grupo.

As autoridades acreditam que o médico, de 50 anos, conduzia uma misteriosa sessão de terapias em grupo no distrito de Hermsdorf, em Berlim. Ele confessou ter prescrito drogas como heroína, anfetaminas e ecstasy para "expandir a consciência dos seus pacientes".

Dois homens - um de 59 anos e outro de 28 - teriam morrido em uma das sessões no sábado, quando a polícia foi chamada.

Algumas das 12 pessoas que participavam do grupo foram hospitalizadas com suspeita de envenenamento. Uma delas, um homem de 55 anos, está em coma, em situação grave. Todas dizem ter recebido um coquetel de drogas ilícitas pesadas.

O médico alegava que oferecia "ajuda em crises espirituais". A mulher do médico também participava das sessões.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.