Hauke-Christian Dittrich/AFP
Hauke-Christian Dittrich/AFP

Polícia alemã realiza escavações em cidade de suspeito de matar Maddie McCann 

Vários veículos da polícia foram enviados para o local da busca, um lote localizado na periferia de Hanover; os investigadores usam cães farejadores, pás e uma escavadeira

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2020 | 15h50

BERLIM - A polícia da Alemanha iniciou nesta terça-feira, 28, buscas e escavações em um canteiro localizado perto da cidade de Hanover, ligadas ao misterioso desaparecimento da menina britânica Madeleine 'Maddie' McCann em 2007, em Portugal.

O caso voltou à tona no início de junho com a identificação de um novo suspeito, Christian B., de 43 anos, um pedófilo alemão já condenado por estupro em Portugal e atualmente em detenção.

"Essas buscas estão ligadas à nossa investigação do caso Maddie McCann", disse à France-Presse Julia Meyer, porta-voz da Promotoria de Brunswick, que tem a jurisdição sobre o caso, sem dar mais detalhes. 

Vários veículos da polícia foram enviados para o local da busca, um lote localizado na periferia oeste da cidade.

Os investigadores usam cães farejadores, pás e uma escavadeira, de acordo com o jornal local Hannoversche Allgemeine, que afirmou que o suspeito morou em Hanover, no norte da Alemanha.

As instalações da operação foram fechadas à vista do público, de acordo com a agência Reuters.

Esses canteiros são muito populares na Alemanha, geralmente permitindo que os moradores da cidade se beneficiem de um pequeno espaço onde cultivam frutas e legumes, fazem churrascos com amigos e descansam nos fins de semana.

Essa nova busca pode confirmar a tese dos investigadores alemães. Recentemente, eles foram os primeiros a afirmar que Madeleine McCann, que desapareceu há 13 anos, estaria morta.

Em meados de junho, a Promotoria de Brunswick explicou que tinha "provas, ou fatos, concretos" que apoiavam a morte da menina, mas nenhuma "evidência forense", como, por exemplo, os restos do corpo. Christian B. está atualmente detido em Kiel, no norte da Alemanha, por outro caso. 

Na época do crime, morava a poucos quilômetros do hotel, no balneário português da Praia da Luz, onde a criança sumiu. Já em detenção, teve de ser colocado em confinamento solitário para impedir que fosse atacado por outros detentos.

Ele é suspeito do assassinato da menina, que estava de férias com os pais e os irmãos em Portugal. Segundo seu advogado, citado na mídia, o homem nega qualquer envolvimento no desaparecimento de Maddie.

Segundo a imprensa alemã, os investigadores encontraram no veículo do suspeito roupas de banho infantis. Também estaria em posse de milhares de imagens pedófilas. Em algumas, ele aparece em cena.

O suspeito apresentou um pedido de liberdade, que não terá êxito, de acordo com a Promotoria. Ele é alvo de um pedido de extradição para Portugal pelo estupro de uma mulher de 72 anos.

O caso também provocou polêmica, em particular, em torno dos erros da polícia alemã, que teria informado Christian B. já em 2013 que suspeitava dele. Isso pode ter-lhe dado tempo suficiente para destruir qualquer prova do crime.

Os investigadores alemães também estudam um possível paralelo com outro caso de desaparecimento, o da pequena Inga, em 2015, em uma floresta na região alemã da Saxônia-Anhalt. 

Vários outros assassinatos não resolvidos de crianças e adolescentes na Europa, principalmente na Bélgica e na Holanda, também estão sendo verificados para determinar se o suspeito pode estar envolvido. / AFP e REUTERS 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.