Eduardo Munoz Alvarez/Getty Images/AFP
Eduardo Munoz Alvarez/Getty Images/AFP

Polícia americana encontra 17 corpos em asilo de New Jersey

Autoridades identificam total de 68 mortos em casa de repouso, incluindo duas enfermeiras

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2020 | 17h59

TRENTON, EUA - A primeira denúncia sobre sacos com cadáveres chegou no sábado. Na sequência, na segunda-feira, a polícia de Andover, uma pequena cidade do condado de Sussex, no Estado de New Jersey, recebeu uma informação anônima sobre um corpo sendo armazenado em um galpão do lado de fora de uma das maiores casas de repouso da região.

Quando a polícia chegou, o cadáver havia sido removido do local, mas eles descobriram outros 17 corpos empilhados dentro do asilo, em um pequeno necrotério que poderia abrigar somente quatro. “Os policiais ficaram impressionados com a quantidade de pessoas mortas”, disse Eric Danielson, chefe de polícia de Andover.

Os 17 corpos eram parte de uma contabilidade que incluía outras 68 mortes recentes ligadas à casa de repouso Andover Subagute and Rehabilitation Center I e II, incluindo duas enfermeiras, disseram as autoridades de New Jersey. Dos que morreram, 26 apresentaram resultado positivo para o coronavírus. Para os outros, a causa da morte ainda é desconhecida. Dos pacientes que permanecem nos dois prédios da casa de repouso, 76 estão com covid-19, sendo 41 funcionários, incluindo um administrador.

Com camas para abrigar até 700 pacientes, o asilo de Andover é, segundo os registros, a maior instalação do Estado – e o risco de disseminação contínua aterrorizante para parentes de pessoas que estão lá.

“O desafio que estamos enfrentando com todos esses lares de idosos é que, quando o vírus ele se espalha, é como um incêndio. É muito difícil parar”, disse o deputado democrata Josh Gottheimer, que recebeu uma ligação no sábado pedindo a doação de bolsas para corpos. O Departamento de Saúde do Estado enviou 4,6 mil máscaras e 10 mil luvas para o local, segundo Donna Leusner, porta-voz do órgão. 

O governador do Estado, Philip Murphy, disse que, assim que a pandemia passar, New Jersey deve avaliar o que deu errado. “É bastante claro que há uma grande fragilidade no sistema e, na realidade, são os serviços de assistência nesse tipo de local”, disse Murphy, que afirmou não ter ficado surpreso com a quantidade de corpos achados no local. Um dos proprietários da instalação, Chaim Scheinbaum, não retornou ligações ou e-mails da reportagem e funcionários disseram que não poderiam falar com a imprensa. / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.