AP
AP

Polícia apura se fraude do balão nos EUA teve cúmplice

Advogado da família afirma que pais estão prontos para se entregar visando evitar exposição pública

AE-AP, Agencia Estado

19 de outubro de 2009 | 13h23

As autoridades do Estado do Colorado suspeitam que Richard Heene tinha um cúmplice na fraude que montou na semana passada envolvendo seu filho. Na quinta-feira, 15, Heene disse que seu filho Falcon poderia estar dentro de um balão caseiro em pleno voo, o que criou uma comoção nacional. O garoto foi encontrado depois no sótão da família. A polícia concluiu no domingo, 18, que o caso todo era uma farsa. Agora, investigadores analisam e-mails que mostrariam o pai e outro homem discutindo a fraude meses atrás.

 

 

Além disso, David Lane, advogado da família, já afirmou que o casal Heene está disposto a se entregar assim que as autoridades apresentarem as queixas contra eles. A atitude seria uma maneira de evitar que os filhos vissem os pais sendo levados presos pela polícia e também um modo de manter a mídia longe do momento da prisão. Lane disse que a expectativa é que isso ocorra no mais tardar na quarta-feira, 21.

 

 

Veja também:

link Caso do 'menino do balão' nos EUA é uma farsa, diz xerife

 

Porém, a porta-voz do Xerife do condado de Larimer declarou nesa segunda-feira, 19, que as denúncias contra o casal Heene só devem ser apresentadas na semana que vem. Este seria o tempo que os investigadores que estão cuidando do caso necessitam para terminar seu trabalho de coleta de provas.

 

Cúmplices

A falsa história seria parte de uma campanha para promover um reality show da família. Robert Thomas, de Denver, afirmou que Heene disse a ele que estava planejando um golpe midiático para promover a atração. A família Heene já participou do reality show Troca de Família, da emissora ABC. Thomas, que se apresenta como um pesquisador, concedeu um depoimento em troca de pagamento ao site Gawker.com. Ele forneceu e-mails trocados com Heene.

Segundo Thomas, o reality show mostraria Heene como um cientista maluco que realiza vários experimentos. A cópia do texto fornecido ao site mostra que Heene queria chamar a atenção também para "o fenômeno UFO em geral", referindo-se a objetos voadores não-identificados (OVNIs, ou UFO na sigla em inglês).

O editor-chefe do Gawker.com, Gabriel Snyder, confirmou o pagamento pela informação, mas não revelou o valor. "Exclusivo: eu ajudei Richard Heene a planejar a fraude do balão" foi o título usado pelo site. Snyder afirmou que Thomas pretende se encontrar com os investigadores, porém a própria polícia ainda não confirmou o fato. Thomas, de 25 anos, disse ao site que o plano conhecido por ele não envolvia as crianças.

O boato sobre a suposta presença do garoto no balão levou na quinta-feira, 15, ao fechamento do Aeroporto Internacional de Denver. A Guarda Nacional forneceu dois helicópteros para a busca de Falcon, de 6 anos. No entanto, ele foi encontrado depois no sótão da família. Milhões de pessoas acompanharam o drama pela televisão no mundo todo.

Indiciamento

O xerife do condado de Larimer, Colorado, Jim Alderden, disse que o pai do garoto deve ser indiciado por conspiração, colaboração para a delinquência de um menor, falso testemunho às autoridades e tentativa de influenciar um servidor público. As acusações mais graves podem levar à pena de até 6 anos e US$ 500 mil em multa. O advogado de Heene, David Lane, disse que seu cliente deve ser acusado nesta terça-feira, 20. Lane concedeu entrevista à NBC e a outras emissoras norte-americanas.

Segundo Alderden, a polícia investiga a participação de outras pessoas. Segundo ele, documentos mostram que um meio de comunicação concordou em pagar a Heene pela história. O xerife não descartou a possibilidade de esse meio de comunicação saber que a história era falsa antes de ela vir à tona. O editor do Gawker.com negou saber qualquer coisa sobre o ocorrido antes de ele acontecer.

Tudo o que sabemos sobre:
meninobalãocúmpliceEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.