Polícia argentina dá ultimato a manifestantes

A polícia argentina deu um ultimato aos manifestantes na Praça de Maio para que deixem a área, caso contrário, serão dispersados conforme as normas do estado de sítio que não permite reuniões populares. Apesar disso, as manifestações populares não param. Alguns comércios continuam sendo saqueados em vários pontos do país, enquanto que grupos de pessoas rondam os supermercados com menor aparato de segurança. Os piqueteiros da Corrente Classista Combativa (CCC) bloquearam a rodovia de acesso à província de Jujuy e outras estradas também foram interrompidas.Em Corrientes, estão acontecendo saques até a casas de família. Na porta da casa do ex-ministro Domingo Cavallo, alguns manifestantes continuam fazendo barulho e todos aos automóveis que passam em frente ao edifício param e buzinam. Os protestos continuam também em frente à Casa Rosada, fortemente cercada pela polícia federal armada, cavalaria e grades de proteção. Somente na grande Buenos Aires foram presas 350 pessoas e 75 policiais estão feridos.O presidente Fernando De la Rúa deverá chegar à sede do governo ainda no início desta tarde, onde deve se reunir com ministros, para destituí-los, segundo informaram fontes do governo.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.