Polícia australiana investiga ameaças racistas da KKK

A polícia australiana investiga membros da Ku Klux Klan e outros grupos extremistas depois que aborígines de dois estados receberam ameaças racistas. A facção australiana da KKK, a Igreja Mundial do Criador, e grupos locais de skinheads têm sido ligados ao uso de adesivos racistas, ataques verbais e ameaças telefônicas feitas em cidades rurais dos estados de Queensland e New South Wales, informou hoje o jornal The Sydney Morning Herald.O governo de Queensland deve aprovar até o próximo mês uma legislação que fará das agressões verbais racistas um crime que determina pagamento de multa de até US$ 2.600 e prisão de seis meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.