Polícia bósnia prende suspeitos de ligação com terrorismo

Vários suspeitos de envolvimento com o terrorismo internacional foram presos nos últimos dias na Bósnia-Herzegóvina, incluindo duas pessoas de posse de facas, nas proximidades do aeroporto de Sarajevo. A notícia foi divulgada hoje pelas autoridades. As prisões foram efetuadas pela polícia bósnia e pela Força de Estabilização (SFOR), a tropa de paz liderada pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), enviada para a Bósnia depois da guerra naquele país (1992-1995). De acordo com o porta-voz da SFOR, capitão Daryl Morrell, nos dias 25 e 26 de setembro os soldados da Força de Estabilização prenderam quatro pessoas suspeitas no subúrbio de Ilidza, em Sarajevo. Dois deles foram levados para o Hotel Hollywood, onde permanecem sob custódia. O capitão Morrell não forneceu mais detalhes, mas no domingo à noite a TV bósnia noticiou que dois são estrangeiros e os outros dois, cidadãos bósnios. Segundo a TV, os dois bósnios são Nihad Karcic e Armin Haebaus e trabalham para a organização humanitária saudita Makath. Ainda de acordo com a emissora, os soldados da SFOR confiscaram documentos, computadores e US$ 600 mil em dinheiro, que eram da organização. Declaração divulgada nesta segunda-feira pela Força de Estabilização afirma que não foram encontrados com os detidos armamentos ou munição.O ministro do Interior da Federação Muçulmano-Croata da Bósnia-Herzegóvina (entidade semi-autônoma, que, ao lado da República Sérvia, forma a Bósnia), Muhamed Besic, afirmou à agência de notícias Associated Press que a polícia bósnia efetuou várias prisões na semana passada, no âmbito do controle sobre atividades terroristas. De acordo com o ministro, alguns dos detidos foram soltos, mas outros permanecem detidos, sob suspeita de "envolvimento com o terrorismo". Besic se negou a entrar em detalhes. De acordo com um funcionário do alto escalão do governo bósnio, dois dos detidos na semana passada são estrangeiros provenientes de países islâmicos. Eles teriam sido encontrados perto do aeroporto de Sarajevo, de posse de facas semelhantes às que foram usadas pelos seqüestradores dos aviões no dia 11 de setembro, nos Estados Unidos.Milhares de combatentes islâmicos foram para a Bósnia no começo da guerra, para ajudar os bósnios muçulmanos a lutar contra sérvios e croatas. A maioria deles deixou a Bósnia depois da chegada da SFOR, mas um pequeno número se estabeleceu no país, adquirindo a cidadania bósnia. Os que ficaram estão agora sob um controle mais severo da polícia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.