Polícia britânica deixa escapar 2 suspeitos de terrorismo

A polícia britânica procura dois suspeitos de terrorismo que estavam sob vigilância especial porordem do governo, segundo revelou a imprensa. As autoridades perderam a pista de um deles, um iraquiano. Há dois meses ele conseguiu burlar a vigilância dos agentes encarregados da vigilância. Desde então, ninguém sabe onde ele está. Nem a Scotland Yard nem o Ministério do Interior conseguiram explicar como deixaram escapar um indivíduo considerado pelas autoridades tão perigoso que estava submetido às polêmicas "ordensde controle" de movimentos e comunicações. O outro suspeito, um britânico de 25 anos, saiu há duas semanas de uma unidade psiquiátrica londrina, fugindo por uma janela. A polícia não sabe se ele está escondido no Reino Unido ouse conseguiu sair do país Segundo o jornal The Guardian, o britânico é supostamente membro de uma célula da rede terrorista da Al-Qaeda no país. Um agente antiterrorista disse que há perigo deque o segundo fugitivo possa participar de atividades terroristas no Reino Unido. Embaraço A notícia é embaraçosa para o governo. Especialmente para o ministro do Interior, John Reid, que se responsabilizou pelo ministério em meio a um escândalo sobre a libertação de presosEstrangeiros. Na segunda-feira à noite, o secretário do Ministério do Interior, responsável pela polícia, Tony Paul McNulty, afirmou que o governonão tinha dado detalhes sobre a fuga dos dois suspeitos porque a legislação antiterrorista impede revelar suas identidades. McNulty descartou a possibilidade de que qualquer um deles possa promover um ataque terrorista. Ele explicou que os serviços de segurança foram alertados. Segundo fontes antiterroristas citadas hoje pelo jornal, o homem que fugiu da unidade psiquiátrica do hospital de West Middlesex tinha integrado uma célula britânica que planejava ir aoIraque para atacar as forças da coalizão. O suspeito permaneceu detido vários meses no Paquistão, onde, segundo sua versão, foi torturado. Após retornar à Grã-Bretanha, passou a ter seus movimentos controlados peloMinistério do Interior. No entanto, seus amigos disseram que o assédio da políciabritânica causou nele uma doença grave. Por isso, precisou ser internado emsetembro na unidade psiquiátrica, de onde fugiu uma semana depois. "Ele sofreu um colapso nervoso por culpa da pressão das autoridades. Achava que estava sendo continuamente perseguido", disse ao jornal um amigo do fugitivo. A fuga de dois suspeitos considerados perigosos pelo Ministério do Interior provocou fortes críticas por parte da oposição. O conservador David Davis disse que o governo tinha justificadoas chamadas "ordens de controle" pela necessidade de "proteger o público de terroristas potencialmente perigosos" mas, no entanto,deixou escapar dois dels. O liberal Nick Clegg criticou as ordens de controle por "causar um curto-circuito" no processo legal e "manter os suspeitos num limbo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.