Polícia britânica diz que explosão matou Benazir Bhutto

Policiais britânicosencarregados de investigar o assassinato da líder oposicionistaBenazir Bhutto chegaram à conclusão de que ela morreu emvirtude de um ferimento na cabeça provocado pelo impacto daexplosão de uma bomba, e não devido a um tiro. A conclusão foi recebida com desconfiança por assessorespróximos dela. A Alta Comissão Britânica divulgou na sexta-feira um resumode seu relatório sobre a morte, confirmando a versão para osfatos divulgada pelo governo paquistanês. Bhutto,ex-primeira-ministra do país, morreu no dia 27 de dezembro, nacidade de Rawalpindi. O assassinato dela alimentou temores sobre a possibilidadede o Paquistão, detentor de um arsenal nuclear, mergulhar em umperíodo de instabilidade. E adiou as eleições gerais marcadas agora para o dia 18 defevereiro e que podem resultar na queda do presidente PervezMusharraf, importante aliado dos EUA, se um Parlamento hostilfor escolhido. O relatório da polícia britânica também disse que Bhuttoteria sido morta, provavelmente, por um único assassino que,sozinho, disparou os tiros e detonou os explosivos. Aex-primeira-ministra não teria sido atacada por duas pessoas,conforme especularam muitos paquistaneses. "A única explicação convincente para o ferimento na cabeçaque a matou rapidamente é que ele tenha resultando dos efeitosda explosão da bomba", afirmou no relatório Nathaniel Cary,patologista do governo britânico. "Na minha opinião, Benazir Bhutto morreu como consequênciade um grave ferimento na cabeça resultante da explosão de umabomba e devido ao impacto da cabeça dela contra alguma parte daescotilha de fuga do veículo", afirmou, referindo-se ao tetosolar. As conclusões da Scotland Yard foram recebidas comdesconfiança por membros do Partido do Povo Paquistanês (PPP,de Bhutto) que estavam ao lado dela no momento do assassinato.E vão de encontro ao que dirigentes de um hospital afirmaramter ouvido, reservadamente, da boca de médicos que atenderam alíder oposicionista. "Achamos difícil concordar com o relatório sobre a causa damorte, relatório segundo o qual ela não foi morta pela bala doassassino", afirmou Sherry Rehman, porta-voz do PPP. A legenda deve beneficiar-se de uma onda de simpatia naspróximas eleições e, apesar de esse não ser um pleitopresidencial, Musharraf pode ver-se ameaçado caso o novoParlamento passe a arquitetar o impeachment dele. Bhutto morreu quando acenava para simpatizantes do tetosolar do veículo blindado em que saía de um comício decampanha. O governo diz que ela foi morta quando a força da explosãode uma bomba jogou a cabeça dela contra uma manivela do tetosolar. A polêmica alimentou suspeitas sobre o envolvimento deagências do governo no assassinato. A confusão foi criada, segundo um advogado paquistanês quenão quis ter sua identidade revelada, "para fazer com que aspessoas ficassem mais interessadas nisso do que em saber quemfoi o responsável pela morte". O governo paquistanês e a CIA (agência de inteligência dosEUA) dizem que Baitullah Mehsud, um chefe militante ligado à AlQaeda, ordenou o assassinato. Musharraf negou envolvimento dele, de órgãos do governo oudas Forças Armadas no crime.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.