Polícia britânica liberta três mulheres mantidas 30 anos em cativeiro

Caso veio a público após um casal ter sido preso em virtude da investigação de escravidão e servidão

O Estado de S. Paulo,

21 de novembro de 2013 | 16h08

(Atualizada às 17h30) LONDRES - A polícia britânica e uma ONG pela proteção dos direitos humanos anunciaram nesta quinta-feira, 21, a libertação de três mulheres que foram mantidas - segundo as autoridades - como escravas domésticas por 30 anos, em uma casa de Londres. O caso veio a público após um casal ter sido preso em razão de uma investigação de escravidão e servidão. Acredita-se que uma das vítimas tenha passado toda sua vida em poder dos captores.

"Todas as três mulheres, que ficaram altamente traumatizadas, foram levadas para um local seguro, onde permanecem", declarou em um comunicado a Polícia Metropolitana de Londres.

A operação para libertar as vítimas começou em outubro, quando a ONG Freedom Charity relatou ter recebido um telefonema de uma mulher que afirmava ser mantida em cativeiro por mais de 30 anos. Uma mulher malaia de 69 anos, uma irlandesa, de 57, e uma britânica, de 30, foram resgatadas do local.

A investigação revelou o local da casa no sul de Londres - e, com o auxílio de negociações conduzidas pela entidade, as três foram libertadas. Policiais de uma unidade que coíbe tráfico de pessoas prenderam nas primeiras horas de ontem o homem e a mulher, ambos de 67 anos, em uma residência do sul da capital inglesa. As autoridades afirmaram que a libertação ocorreu "há algumas semanas", sem informar a data exata da operação de resgate às vítimas. / REUTERS E AP

Mais conteúdo sobre:
Grã-Bretanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.