Polícia britânica prende mais um no caso dos grampos

Autoridades britânicas detiveram um homem não identificado de 48 anos nesta sexta-feira, na investigação relacionada aos grampos telefônicos feitos pelo extinto tabloide News of the World, da News Corporation. O homem foi detido em conexão com uma das vertentes da investigação, a de que repórteres do extinto tabloide subornaram policiais para obter informações.

AE, Agência Estado

04 de novembro de 2011 | 16h17

Em separado, a News International, unidade britânica da News Corporation, abriu oficialmente um plano, há muito esperado, para compensar financeiramente as vítimas das escutas telefônicas feitas pelo tabloide - uma alternativa adotada pela empresa para evitar, possivelmente, ter que pagar indenizações ainda maiores às vítimas nos tribunais.

A Polícia Metropolitana de Londres, ou Scotland Yard, disse que o homem de 48 anos preso nos arredores de Londres, na manhã de hoje, ainda não foi acusado, informa o Wall Street Journal.

Em janeiro, a polícia britânica reabriu a investigação sobre as escutas telefônicas feitas pelo News of the World. Após seis meses, a polícia abriu uma segunda investigação, sobre as acusações de que os editores do defunto tabloide subornaram policiais em troca de informações.

A News Corporation, empresa do magnata midiático Rupert Murdoch, fechou o News of the World em julho. O jornal tinha a edição de domingo mais disputada da Grã-Bretanha. Nesta semana, a empresa informou perdas de reestruturação de US$ 91 milhões para o trimestre encerrado em 30 de setembro, o que incluiu o fechamento do tabloide. O lucro operacional ficou em US$ 110 milhões, uma queda de 38% na comparação com o mesmo trimestre de 2010. A News Corp. é proprietária do Wall Street Journal.

A detenção de hoje ocorre uma semana antes de uma audiência de James Murdoch, filho do magnata e vice-chefe operacional da News Corporation, em um comitê parlamentar britânico para testemunhar no caso dos grampos telefônicos. Em julho, James testemunhou ao lado do seu pai Rupert, mas a Justiça britânica decidiu reconvocá-lo.

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.