Polícia britânica prende oitavo suspeito de terrorismo

Preso fora do Reino Unido, suspeito de participar em atentados está sob custódia

Agencia Estado

02 Julho 2007 | 19h16

Um oitavo suspeito ligado a um plano para explodir carros-bombas em Londres e na Escócia foi preso, disse a polícia britânica nesta segunda-feira, 2, sem, no entanto, informar onde o homem foi detido. "Um homem foi preso em um local não divulgado em conexão com a investigação sobre os incidentes em Londres e Glasgow", disse a polícia em comunicado. "Ele permanece sob custódia." A BBC noticiou que o homem foi preso no exterior, mas não disse em qual país. A polícia britânica está focando sua investigação em três médicos nesta segunda-feira. Um deles é o iraquiano Bilal Abdullah, que seria um dos atacantes do último sábado ao aeroporto de Glasgow, na Escócia. Outro médico detido é o neurologista jordaniano Mohammed Asha, de apenas 26 anos. Asha completou seus estudos de medicina na Jordânia e trabalhava em dois hospitais na cidade de Telford (oeste da Inglaterra). Ainda não há detalhes sobre o terceiro médico preso. Segundo a CNN, a polícia isolou a casa do homem e de sua esposa, localizada a cerca de quatro quilômetros da casa de Asha, em Newcastle-under-Lyme. Equipes de especialistas forenses realizaram buscas na casa do casal, que vivia no local há cerca de um ano. Aeroporto fechado O aeroporto londrino de Stansted foi fechado devido a um pacote suspeito, em meio ao clima de temor causado pelos atentados fracassados do fim de semana em Londres e Glasgow, na Escócia, informou nesta segunda a rede pública britânica "BBC". Segundo a "BBC", o alerta de segurança obrigou a isolar diversas áreas do aeroporto - o terceiro maior de Londres -, e as lojas foram fechadas, enquanto seguranças examinavam o volume suspeito. No entanto, a saída e a chegada de vôos não foi interrompida, apesar de ninguém poder entrar no aeroporto ou deixar o local, onde ainda estão cerca de 200 pessoas, acrescentou a rede. O incidente coincidiu com o reforço da segurança nos aeroportos e nas estações de trem do Reino Unido, assim como no Metrô de Londres, após os ataques do fim de semana, que levaram à detenção de sete pessoas. Na sexta-feira, dois carros-bomba foram desativados em pleno centro de Londres, enquanto neste sábado dois homens bateram com um carro em chamas contra o principal terminal do aeroporto de Glasgow. A Polícia relaciona este atentado com os dois carros-bomba encontrados em Londres. Se os veículos tivessem explodido, teriam deixado muitos mortos e feridos, segundo a Scotland Yard, a polícia londrina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.