Polícia canadense identifica vítima desmembrada

A polícia canadense informou que o homem cujas partes do corpo foram enviadas para os principais partidos políticos do país era um estudante chinês. Também nesta sexta-feira, autoridades franceses tentavam encontrar o suspeito do assassinato, o ator pornô canadense Luka Rocco Magnotta. O comandante da polícia de Montreal, Ian Lafreniere, identificou a vítima como Jun Lin, de 33 anos.

AE, Agência Estado

01 de junho de 2012 | 16h23

A polícia disse que Magnotta está agora na lista dos mais procurados da Interpol. Um graduado integrante da polícia francesa disse ter certeza que Magnotta está na França e que ele já esteve no país antes. Outro policial francês declarou que aparentemente Magnotta foi de avião de Montreal para Paris na semana passada, antes do início das investigações.

Lafreniere disse que Jun Lin não tem família em Montreal, mas um de seus familiares informou seu desaparecimento na terça-feira. Ele fora visto pela última vez em 24 de maio. Lafreniere disse que o assassinato aconteceu na noite de 24 para 25 de maio e que o suspeito partiu para a Europa no dia 26.

Segundo o registro de desaparecimento do site do consulado chinês em Montreal, a vítima era da cidade de Wuhan e chegou a Montreal em julho de 2011.

"Ele é um cidadão chinês que estudava numa universidade aqui de Montreal e estava aqui há algum tempo", declarou Lafreniere. "Graças à embaixada chinesa, conseguimos entrar em contado com sua família e informamos o triste acontecimento."

A história do crime teve início na terça-feira, quando um pacote contendo um pé foi aberto na sede do Partido Conservador, que governa o país. Uma mão foi descoberta numa agência dos correios, endereçada ao Partido Liberal do Canadá. Um torso foi encontrado numa mala, no interior de uma lata de lixo em Montreal, nas proximidades do prédio onde Magnotta reside.

A polícia de Montreal disse acreditar que Magnotta, de 29 anos, fugiu para a França, tendo como base provas encontras em seu apartamento e num blog, onde ele escreveu sobre como desaparecer.

A polícia suspeita que Magnotta tenha filmado o crime. O vídeo, colocado na internet, mostra um homem esfaqueando outro com um cortador de gelo, enquanto a vítima nua está deitada e amarrada.

Os policiais disseram que Magnotta é também conhecido pelos nomes de Eric Clinton Newman e Vladimir Romanov, e o descreveram como um homem branco de 1,78 metro, de olhos azuis e cabelos negros. Um policial disse que ele é ator pornô. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.