Polícia cerca casa para prender Milosevic

Mesmo com sua casa totalmente cercada por um comando especial da polícia da Iugoslávia, o ex-presidente iugoslavo Slobodan Milosevic resistia neste sábado, à ordem de prisão, advertindo que não sairá dali com vida. As autoridades iugoslavas disseram que o ex-presidente permanecerá sob prisão domiciliar até que concorde em comparecer perante o juiz que investiga as acusações contra ele. Uma tensa negociação continuava entre as autoridades e assessores de Milosevic. Mas, segundo o ministro do Interior da Sérvia, Dusan Mihajlovic, o ex-presidente afirmou ao chefe do comando policial que invadiu os jardins de sua residência que não reconhece a ordem de prisão e assegurou: "Ninguém me tirará daqui com vida." Ele é acusado pela Justiça iugoslava de abuso de poder, assassinatos, enriquecimento ilícito, fraude eleitoral e traição. E pela justiça internacional de crimes de guerra de genocídio durante o conflito de Kosovo, em 1999.Numa noite descrita como "dramática e confusa" pela imprensa local, o comando policial chegou a ultrapassar os muros da casa de Milosevic, um verdadeiro bunker, mas acabou recuando diante da forte resistência da guarda pessoal do ex-ditador. Disparos de armas de fogo foram ouvidos. Três pessoas, entre elas dois policiais, ficaram feridas. Mihajlovic, o ministro do Interior sérvio, acusou o Exército iugoslavo de ter obstruído a ação da polícia ao manter "pequena presença militar" no interior da residência. Mas os comandantes militares iugoslavos negaram, garantindo que "o Exército acata integralmente a letra da lei". Segundo o ministro sérvio, a polícia recuou diante do arsenal posto à disposição da guarda pessoal de Milosevic, que inclui artilharia e bombas. A troca de tiros durou cerca de 15 minutos. A ação policial foi iniciada justamente no dia estipulado pelo Congresso dos Estados Unidos como prazo final para que a Iugoslávia começasse a cooperar com o Tribunal Penal Internacional. O primeiro-ministro da Sérvia, Zoran Djindjic, disse que o prazo final não foi levado em conta para o início da ação. "Uma condição desse tipo é inaceitável por um país soberano."Washington ameaça Belgrado com a suspensão de uma ajuda econômica de US$ 100 milhões se Milosevic não for detido e levado à corte internacional. Em Moscou, o Kremlin divulgou um comunicado neste sábado no qual afirma que a possível prisão de Milosevic é um assunto interno da Iugoslávia e pede aos outros países que não se envolvam na controvérsia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.