Polícia cerca hotel e prende dois jornalistas no Zimbábue

Fonte do hotel diz que polícia levou '4 ou 5 repórteres', entre eles um americano do 'The New York Times'

Associated Press,

03 de abril de 2008 | 16h17

Agentes de segurança e a Polícia paramilitar cercaram nesta quinta-feira, 3, um hotel na capital, Harare, que abrigava jornalistas. Uma fonte do hotel que não quis se identificar disse que cerca de 30 policiais entraram no prédio e estavam se preparando para levar "quatro ou cinco jornalistas". Segundo a rede BBC, dois repórteres foram presos, entre eles um do jornal The New York Times.   Veja também: Oposição do Zimbábue proclama vitória com 50,3% do votos Governo e oposição negam acordo para transição no Zimbábue Mugabe negocia possível transição com oposição, diz 'NYT' Dúvida é se Mugabe aceitará veredicto Robert Mugabe, ditador do Zimbábue há quase 30 anos   A imprensa estrangeira está no Zimbábue para cobrir as eleições da última semana. Na quarta-feira, 2, a oposição assegurou que ganhou as eleições presidenciais realizadas no último sábado, com votos suficientes para que não seja necessário um segundo turno.   Ainda nesta quarta-feira, o governo do presidente Robert Mugabe invadiu os escritórios do principal movimento oposicionista, numa possível indicação de que o presidente planeja usar violência e intimidação para permanecer no poder. "Isso deixa claro que ele começou uma guerra", disse o secretário do Movimento para Mudança Democrática (MDC), Tendai Biti.   Biti disse que o incidente no Hotel Meikles tinha como alvo "algumas pessoas, incluindo eu". O líder oposicionista Morgan Tsvangirai estava "a salvo", mas cancelou seus planos para uma entrevista coletiva, acrescentou o secretário. "Você não consegue se esconder do fascismo. Zimbábue é um país pequeno, então nós não vamos nos esconder. Estamos apenas lidando com uma cautela extra", justificou.   Especialistas independentes dizem que, segundo suas projeções, Tsvangirai recebeu a maioria dos votos no pleito de sábado, mas não o suficiente para descartar um segundo turno.     (Matéria ampliada às 18h15)

Tudo o que sabemos sobre:
ZimbábueeleiçõesHarare

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.