Polícia chinesa detém 12 ligados a incêndio em arranha-céu

Entre os presos, há um de cargo oficial e três empregados da TV estatal chinesa CCTV

Efe,

12 de fevereiro de 2009 | 04h03

A polícia deteve 12 pessoas relacionadas com o incêndio que na segunda-feira passada destruiu um arranha-céu no sudeste de Pequim. Segundo as investigações o incidente foi causado pelo lançamento de fogos de artifício. Veja também: Assista ao vídeo com o show de fogos na torre no YouTube   Galeria de fotos do incêndio  As autoridades de Pequim informaram que entre os 12 detidos há um de cargo oficial e três empregados da TV estatal chinesa CCTV, além de oito operários contratados para o espetáculo pirotécnico, segundo a agência Xinhua. As autoridades de controle de incêndios de Pequim determinaram que o incêndio do hotel Mandarin Oriental, próximo à sede da televisão estatal chinesa e que deixou uma pessoa morta, foi causado por fogos de artifício. O Escritório de Controle de Incêndios de Pequim assegurou que a própria CFTV contratou ilegalmente a empresa pirotécnica para que realizasse um espetáculo ao ar livre. A CFTV pediu perdão publicamente pelo incêndio.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinaincêndio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.