Polícia chinesa prende suspeitos de matar panda gigante

Polícia chinesa prende suspeitos de matar panda gigante

Autoridades da Província de Yunnan afirmam que acusados venderam carne de animal

AP

14 de maio de 2015 | 14h46

A polícia da Província chinesa de Yunnan prendeu ontem 10 pessoas acusadas de envolvimento na morte e no tráfico de partes de um panda gigante - animal em risco de extinção e protegido por rigorosas leis do país. Segundo informações da imprensa estatal chinesa, a pele e alguns ossos do animal foram apreendidos na casa do acusado de ser o executor do crime. Os demais detidos estariam envolvidos no comércio ilegal.


Autoridades afirmaram à agência estatal Xinhua que o homem montou uma armadilha para "capturar animais selvagens" que, segundo ele mesmo, vinham matando ovelhas criadas na propriedade. Quando verificou a armadilha e viu que ela havia sido destruída, o suspeito seguiu as pegadas do animal, encontrou o panda e o matou a tiros.

Os 35 quilos de carne do animal foram vendidos por 4,8 mil iuanes (cerca de US$ 800). Outras partes já haviam sido ou ainda seriam vendidas. Os pandas gigantes são protegidos por leis ambientais chinesas e a população de animais no país está em cerca de 1,3 mil. As informações são da AP.

Tudo o que sabemos sobre:
PandaChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.