Polícia colombiana impede novos atentados em Bogotá

A Polícia Nacional anunciou nesta terça-feira a captura de supostos guerrilheiros que preparavam novos atentados com mísseis e uma caminhonete carregada de explosivos, um dia depois da explosão de um carro-bomba em Bogotá, que deixou 69 feridos. Segundo o comandante da Polícia na capital colombiana, general José Darío Castro, em uma primeira operação os agentes descobriram uma caminhonete que estava sendo acondicionada com explosivos em um bairro pobre do sul de Bogotá, onde foi capturado um suposto guerrilheiro pertencente à Frente 22 das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Em uma entrevista à imprensa, Castro disse que a polícia também encontrou, em outro bairro do sul da capital, quatro rampas de lançamento de mísseis, armados com cerca de 20 a 30 quilos de explosivos, cujo objetivo era destruir ônibus do sistema integrado Transmilenio, que responde pelo transporte coletivo em Bogotá. Outro suposto guerrilheiro das Farc foi capturado e confessou sua participação neste plano, afirmou Castro. "Para ninguém é segredo que as Farc estão atacando Bogotá, mas nós também estamos atacando-as e temos efetuado centenas de prisões de terroristas, que foram colocados à disposição da Promotoria", acrescentou. As Farc, o maior e mais antigo dos grupos guerrilheiros colombianos, promoveram vários ataques em Bogotá - o maior deles em 7 de agosto passado, quando o atual presidente, Alvaro Uribe Vélez, assumia o poder, e que deixou 21 pessoas mortas. Castro informou que as frentes rebeldes número 22, 42 e 53, que operam em zonas rurais próximas a Bogotá, estão enviando à capital pequenos comandos encarregados de executar os ataques com explosivos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.