Polícia culpa gangues ligadas ao ETA por bomba na Espanha

Uma estação de trem foi atingida por uma bomba caseira na manhã desta segunda-feira no País Basco, na Espanha. O incidente aconteceu horas depois da prisão de 18 integrantes de gangues que a Suprema Corte da Espanha classifica como "organizações terroristas" ligadas ao grupo separatista ETA. A explosão aconteceu em Lutxana e destruiu portas e janelas, mas ninguém ficou ferido. A bomba foi feita com gasolina, um método comum entre gangues, disse a polícia em comunicado."Os responsáveis tiveram que arrombar a porta (da estação) para colocar o explosivo dentro do prédio", disse a polícia. O prefeito de Lutxana, Tontxu Rodriguez, disse na rádio estatal que uma segunda explosão aconteceu minutos depois, embora a polícia ainda não confirme. Bombeiros lutaram para controlar o fogo por pelo menos três horas. A estação de Lutxana já foi alvo de vários ataques. Mas a dimensão da explosão de segunda-feira levou as autoridades locais a desconfiar de que o ataque fosse de autoria do ETA. O cessar-fogo do ETA foi encerrado no dia 30 de dezembro, com a explosão de um carro-bomba no estacionamento do aeroporto de Barajas, em Madri, onde duas pessoas morreram. Gangues que apóiam a luta do ETA pela independência basca já investiram contra a polícia e incendiaram ônibus, carros e caixas eletrônicos na região basca, apesar do cessar-fogo declarado pelo ETA em março de 2006. As prisões feitas foram determinadas pela Suprema Corte da Espanha, que considerou as gangues Jarrai, a Haika e a Segi, acusadas do ataque, como "organizações terroristas" ligadas ao ETA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.