Polícia da Austrália prende dois suspeitos por incêndios

Pelo menos 181 pessoas morreram e mais de 5 mil estão desabrigadas por chamas que arrasaram o sul do país

Agências internacionais,

12 de fevereiro de 2009 | 07h58

A polícia da Austrália anunciou nesta quinta-feira, 12, a prisão de duas pessoas suspeitas de terem provocado um dos incêndios que arrasaram o sul do país nos últimos dias. O fogo deixou pelo menos 181 mortos e mais de 5 mil desalojados. Segundo fontes policiais, podem haver novas detenções.   Veja também: Resgate de coala em incêndio chega ao YouTube   Ambos foram detidos após a polícia detectar uma atividade suspeita ao norte da cidade de Melbourne, no Estado de Victoria. Por enquanto, não foram apresentadas acusações contra eles e espera-se que os dois apenas forneçam informações importantes às investigações. A polícia acredita que o fogo na região de Churchill, no sudeste de Victoria, foi criminoso assim como crê em Marysville, onde teme-se que pelo menos 100 de seus 519 habitantes tenham morrido.   "A investigação está começando", assegurou um porta-voz da polícia. Em Vitória, provocar um incêndio de forma intencionada pode acarretar em penas de dois a 15 anos de prisão. O premiê australiano, Kevin Rudd, qualificou como "homicídio em massa" as mortes provocadas pelas chamas. O chefe do Executivo do país anunciou para esta quinta a celebração de um funeral no Estado em memória às vitimas. Como muitos permanecem desaparecidos, autoridades preveem que mais de 200 pessoas podem ter morrido.

Tudo o que sabemos sobre:
Austráliaincêndios

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.