Polícia da China detém 6 em escândalo de carne contaminada

A polícia da China deteve seis executivos de uma companhia fornecedora de carne enquanto investiga um escândalo que levanta temores sobre a segurança alimentar no país, segundo a mídia estatal reportou neste domingo.

REUTERS

03 de agosto de 2014 | 10h24

O chefe da polícia em Xangai e vice-prefeito Bai Shaokang disse à rádio local que os executivos da Shanghai Husi Food, unidade do OSI Group LLC, baseado nos Estados Unidos, foram levados sob custódia, disse a agência de notícias Xinhua.

A empresa forneceu carne para as redes de fast food estrangeiras McDonald's e Yum Brands Inc, que controla a rede KFC, entre outras.

O escândalo, que também afetou a rede Starbucks Corp, foi desencadeado por uma reportagem da TV local mostrando a equipe da Shanghai Husi utilizando carne vencida. A reportagem também alegou que a empresa forjou datas de produção.

A segurança alimentar tem sido uma enorme preocupação para consumidores chineses após produtos lácteos contaminados com melamina industrial terem deixado milhares doentes e provocado a morte de seis crianças em 2008.

Órgãos reguladores fecharam a fábrica da Shanghai Husi em 20 de julho. A polícia deteve cinco pessoas, incluindo o diretor da empresa e gerente de qualidade. Não ficou claro pela reportagem da Xinhua se Bai estava se referindo ao mesmo executivo.

"Se alguma irregularidade for descoberta, lidaremos com ela estritamente de acordo com a lei", disse Bai citado pela agência.

A Yum Brands Inc é a maior operadora de restaurantes do Ocidente na China, com 6.400 estabelecimentos. A companhia afirmou na semana passada que o temor causou danos às vendas da KFC e Pizza Hut no período de 20 a 30 de julho.

(Por Norihiko Shirouzu e Ran Li em Pequim)

Tudo o que sabemos sobre:
CHINACARNECONTAMINADA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.