Polícia da Espanha desarticula rede de prostituição de brasileiros

Autoridades prenderam 14; indústria espanhola do sexo é composta principalmente por latinos

Agência Estado e Associated Press

31 de agosto de 2010 | 09h14

MADRI - A polícia da Espanha desmantelou uma rede internacional de tráfico de pessoas que levava homens, incluindo brasileiros, ao país para a prostituição. Os homens recebiam Viagra, cocaína e outros estimulantes para ficarem disponíveis por 24 horas, segundo afirmaram nesta terça-feira, 31, autoridades da Espanha.

 

Foram presas 14 pessoas, principalmente brasileiros, suspeitas de comandar a organização. Outras 17 foram detidas por estar no país ilegalmente, informou a Polícia Nacional em comunicado. Um oficial de polícia disse não saber se os garotos de programa prestavam serviço a homens ou a mulheres.

 

O sexo é uma indústria multimilionária na Espanha, onde há casas noturnas em que as funcionárias são, principalmente, mulheres da América Latina, da África e do Leste Europeu. A prostituição no país está em um limbo legal, pois não é regulada. Já a exploração da prostituição é crime.

 

A polícia informou que o caso dos brasileiros é o primeiro desmantelado em que uma rede se dedica a traficar homens e não mulheres para a prostituição. As vítimas foram recrutadas no Brasil e assumiam dívidas de até 4 mil euros com os custos da viagem até a Espanha. Alguns foram enganados com supostas promessas de empregos de outro tipo, outros já sabiam que trabalhariam na indústria do sexo, mas não que precisariam estar 24 horas por dia disponíveis, nem que teriam de ficar se mudando de uma província para outra, disse o policial, que pediu anonimato.

 

Os garotos de programa tinham que dar metade de seus lucros para a quadrilha. "Se os homens se queixavam ou causavam problemas, os líderes da quadrilha os ameaçavam, inclusive com a morte", afirmou o comunicado. As prisões se realizaram nas últimas semanas. O suposto líder da quadrilha é um brasileiro radicado em Palma, uma ilha mediterrânea de Mallorca.

Tudo o que sabemos sobre:
Espanhaprostituiçãobrasileiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.