Foto: Seth Herald / AFP
Foto: Seth Herald / AFP

Polícia da Filadélfia investiga suposto plano para atacar local de contagem de votos

A força de segurança recebeu uma denúncia sobre um carro com pessoas armadas que estariam vindo da Virgínia com planos de atacar o centro de convenções

Reuters, O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2020 | 03h35

FILADÉLFIA - A polícia da Filadélfia disse nesta sexta-feira, 6, que está investigando um suposto complô para atacar o Centro de Convenções da Pensilvânia, onde os votos da eleição presidencial fortemente contestada estão sendo contados.

A polícia local recebeu uma denúncia sobre um carro com pessoas armadas que estariam vindo da Virgínia com planos de atacar o centro de convenções, disse um representante da força de segurança.

A polícia prendeu pelo menos um homem e apreendeu uma arma, bem como o carro sobre o qual tinham recebido uma denúncia. Nenhum ferimento foi relatado e nenhum detalhe adicional sobre o suposto complô foi divulgado. A notícia foi divulgada anteriormente pela Action News, uma afiliada da ABC. 

Mais cedo, na quinta-feira, apoiadores do presidente dos Estados UnidosDonald Trump, e de seu adversário democrata, Joe Biden, realizaram comícios na Filadélfia enquanto os funcionários eleitorais contavam lentamente milhares de cédulas que poderiam decidir os cruciais 20 votos do Colégio Eleitoral.

Um tribunal de apelação estadual decidiu na quinta-feira que mais observadores republicanos poderiam entrar no prédio na Filadélfia, onde os eleitores estavam contando os votos.

O Serviço Postal dos EUA (USPS) disse que, durante duas varreduras feitas na noite de quinta-feira, cerca de 1,7 mil cédulas foram identificadas na Pensilvânia nas instalações de processamento. Elas estavam em processo de entrega aos funcionários eleitorais.

Trump disse repetidamente, sem evidências, que os votos pelo correio são propensos a fraudes, embora especialistas eleitorais digam que isso é raro nas eleições dos EUA./Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.