AFP
AFP

Tunisiano morto pela polícia após ataque em Berlim havia jurado lealdade ao Estado Islâmico

Anis Amri teria morrido após uma troca de tiros com policiais; autoridades tentam encontrar cúmplices de agressor

O Estado de S.Paulo

23 Dezembro 2016 | 08h21

ROMA - O tunisiano suspeito de realizar o ataque em uma feira natalina em Berlim foi morto durante uma troca de tiros em um subúrbio da cidade italiana de Milão nesta sexta-feira, 23, confirmou o titular de Interior da Itália, Marco Minniti, em uma coletiva de imprensa. Anis Amri, de 24 anos, foi abatido por volta das 3h locais no bairro de Sesto San Giovanni, durante uma batida policial de rotina, de acordo com informações da agência de notícias Ansa.

Os policiais haviam pedido para ver um documento de identidade do jovem, que tirou uma arma de sua mochila e abriu fogo contra eles. Amri foi morto durante a troca de tiros. Um policial ficou ferido e foi encaminhado para o hospital, mas está fora de perigo. 

O agente da Polícia Nacional italiana Luca Scatà, de 29 anos e em período de testes, foi quem disparou contra o suspeito. "Nós não tínhamos ideia de que ele poderia estar em Milão", disse o chefe de polícia Antonio De Iesu em uma coletiva de imprensa. "Eles não tinham pensado que poderia ser ele, caso contrário teriam sido mais cautelosos." O governo alemão agradeceu às forças de segurança italianas por sua atuação e se dizem "aliviados" com a informação.

Minniti afirmou que o homem abatido no tiroteio é "sem sombra de dúvida" o suspeito procurado. Um site de propaganda jihadista também confirmou a morte do militante. "O autor do atentado em Berlim tentou outro ataque contra a polícia da Itália em Milão e foi morto em um tiroteio", disse o portal de ideologia extremista.

O mesmo meio informou que Amri jurou lealdade ao líder do grupo Estado Islâmico (EI), Abu Bakr al-Baghdadi, em um vídeo no qual filma a si mesmo em uma ponte e convida seus "irmãos" a fazerem a "jihad" (guerra santa) contra os "inimigos de Alá" e aqueles "que bombardeiam os muçulmanos". O título do vídeo publicado no portal de propaganda extremista é "Mensagem do soldado do Estado Islâmico que levou a cabo os ataques em Berlim e Milão".

O chefe de polícia de Milão disse que o suspeito havia passado pela França e chegado à Itália na manhã desta sexta-feira em um trem.

Autoridades alemãs advertiram que agora as buscas visam encontrar possíveis cúmplices de Amri. A morte do agressor "não significa que as buscas por possíveis cúmplices foram suspensas", afirmou o ministro do Interior de Berlim, Andreas Geisel.

Na quinta-feira, os agentes haviam encontrado impressões digitais do tunisiano na porta do caminhão que invadiu uma feira natalina no centro de Berlim, deixando 12 mortos e mais de 50 feridos. A polícia alemã havia emitido uma ordem de prisão internacional para Amri, de 24 anos, oferecendo uma recompensa de 100 mil euros por informações que levassem à sua captura. Ele foi identificado como um jovem que teve seu pedido de asilo na Alemanha negado.

A ordem de prisão internacional dizia que ele tinha um histórico de fornecer nomes e nacionalidades falsas, era considerado perigoso e estaria armado. As buscas por Amri começaram após os policiais encontrarem um documento de identidade debaixo do banco do motorista do caminhão envolvido no atentado. O EI reivindicou a autoria do ataque e afirmou que o autor o cometeu "em resposta aos apelos para atacar os cidadãos dos países da coalizão internacional" que luta contra o grupo jihadista.

As agências de notícia alemãs disseram que o jovem teria ligações com Abu Walaa, um iraquiano salafista de 32 anos que foi preso em novembro na Alemanha, acusado de recrutar jihadistas dispostos a lutar pelo EI.  O documento encontrado indica que ele havia recebido autorização para permanecer temporariamente na Alemanha. O pai de Amri disse a uma rádio que ele deixou a Tunísia sete anos atrás e ficou quatro anos preso na Itália sob a acusação de ter incendiado uma escola. Também foi condenado, à revelia, a 5 anos de prisão na Tunísia por roubo violento. / REUTERS, EFE e ASSOCIATED PRESS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.