Polícia da Moldávia detém 3 por contrabando de urânio

Dois ex-policiais e uma terceira pessoa foram detidas na Moldávia sob suspeita de tentarem vender dois quilos de urânio no mercado negro, disseram hoje as autoridades, embora a quantidade do material seja pequena para ser usada numa arma nuclear ou em uma "bomba suja".

AE-AP, Agência Estado

25 de agosto de 2010 | 16h33

Funcionários identificaram o material como urânio-238 e disseram que a carga tem um valor de 9 milhões de euros (US$ 11,3 milhões). O urânio-238 pode ser enriquecido até virar material para armar uma bomba atômica ou então ser convertido em plutônio, o qual também pode abastecer uma ogiva nuclear.

O Ministério do Interior da Moldávia disse que o material estava guardado na garagem da casa de um ex-policial. As autoridades mandaram o urânio para uma central atômica alemã, que estabelecerá o porcentual de enriquecimento e o país de origem do combustível. A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) não comentou o episódio.

Tudo o que sabemos sobre:
prisãocontrabandourânioMoldávia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.