AP
AP

Polícia da Moldávia retoma controle do Parlamento

Manifestantes rejeitam resultado da eleição, que deu vitória aos comunistas, e exigem a saída do presidente

Agências internacionais,

08 de abril de 2009 | 03h48

A polícia da Moldávia retomou o controle do Parlamento na capital Chisinau, invadido e saqueado por jovens manifestantes, depois de uma revolta contra a vitória do Partido Comunista nas eleições legislativas realizadas no último domingo.

Os manifestantes quebraram janelas e arremessaram o mobiliário de escritório do topo do edifício, na pior convulsão política dos últimos anos no mais pobre país da Europa. Nas primeiras horas da manhã desta quarta-feira, 8, (hora local) a polícia retomou o prédio e prendeu uma dúzia de manifestantes, antes de retirar outros opositores da praça em frente ao Parlamento.

 

Forças especiais da polícia estão dentro e fora dos principais prédios públicos da capital, aonde conseguiram chegar nas primeiras horas da madrugada. Segundo a agência de notícias russa Interfax, a polícia deu tiros para o ar e deteve vários jovens que tinham se instalado para passar a noite junto a uma fogueira diante da sede do Parlamento, tomada de assalto na véspera.

 

Os protestos na capital começaram na segunda-feira passada, após o anúncio dos resultados das eleições parlamentares, segundo os quais o governante Partido Comunista República da Moldávia (PCRM), obteve 50% dos votos. Os resultados dão aos comunistas grande maioria na Câmara, que é, segundo a Constituição, a que elege o chefe do Estado. "Abaixo o comunismo", "Melhor estar morto que ser comunista", "Queremos estar na Europa" e "Somos romenos" foram algumas das frases gritadas pelos manifestantes nas ruas da capital moldávia durante os distúrbios.

De acordo com os organizadores, 15 mil pessoas já participaram das manifestações nos últimos dois dias, pegando a oposição anticomunista de surpresa e limitando seu controle sobre eventos. Cerca de 100 pessoas, incluindo manifestantes e policiais, ficaram feridas nos confrontos. Na terça-feira, foram invadidos e saqueados também a residência presidencial, o escritório da Comissão Eleitoral e outros prédios públicos. Imagens de TV mostravam policiais em retirada, protegendo-se com escudos de uma chuva de objetos lançados por manifestantes.

Atualmente com 4 milhões de habitantes, a Moldávia foi parte da Romênia até 1940, quando tropas soviéticas ocuparam a região. O país tornou-se independente em 1991, com a queda da União Soviética, mas a instabilidade política e econômica deu força novamente ao Partido Comunista, que retornou ao poder dez anos após o país conquistar sua autonomia.  Eleito, Voronin foi capaz de manter a estabilidade e promover o crescimento econômico, mas a rebelião separatista de 18 anos na Província de Transdniester corroeu sua popularidade. Tropas russas tentam manter a ordem na região rebelde desde os tempos da ocupação soviética da Moldávia.

 

Matéria atualizada às 8 horas.

Tudo o que sabemos sobre:
Moldáviaprotesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.