Chaideer MAHYUDDIN/AP
Chaideer MAHYUDDIN/AP

Polícia da Tailândia prende suposto chefe do tráfico de imigrantes no sul da Ásia

Patchuban Angchotipan, ex-autoridade do governo da província de Satun, foi descrito como 'manda-chuva' da organização criminosa

O Estado de S. Paulo

18 de maio de 2015 | 12h30

BANGCOC - A Tailândia prendeu nesta segunda-feira, 18, o suposto líder de uma rede de tráfico humano, a ação repressiva mais recente contra este tipo de crime, que desencadeou uma crise humana nos mares da região.

A Polícia Real Tailandesa afirmou suspeitar que Patchuban Angchotipan, ex-autoridade do governo da província de Satun, no sul do país, era o chefe de uma grande rede de tráfico humano. “Na província de Satun ele é um manda-chuva”, disse o chefe da polícia nacional tailandesa, general Somyot Poompanmuang. “Ele é o chefe. Tem muitos subordinados”.

Patchuban, cujo apelido é 'Kor Tong', foi acusado de uma série de violações, incluindo o tráfico humano, o transporte de imigrantes ilegais para a Tailândia, a detenção de outros, o que levou a danos físicos, e o sequestro por dinheiro. Ele nega todas as acusações.

Os ministros das Relações Exteriores de Tailândia, Malásia e Indonésia irão se reunir em Kuala Lumpur na quarta-feira para discutir como lidar com o tráfico de pessoas. A repressão tem levado criminosos a abandonarem barcos repletos de milhares de imigrantes em vez de se arriscarem a atracar nas praias tailandesas.

Centenas de imigrantes de Bangladesh e de muçulmanos rohingya oriundos de Mianmar chegaram às águas de Malásia e Indonésia, e outros milhares de imigrantes continuam à deriva.

Mianmar culpou os países vizinhos que buscam mão de obra barata por incentivar o fluxo de imigrantes ilegais, depois de sofrer pressão para frear a perseguição de muçulmanos, o que incentivou muitos deles a fugir. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Tailândiaimigraçãocrise humana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.