EFE
EFE

Polícia da Tunísia mata três suspeitos de realizar ataque terrorista que deixou um policial morto

O caso aconteceu neste domingo, 6, na cidade turística de Sousse, onde 39 estrangeiros foram mortos durante outro ataque em 2015

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2020 | 10h44

A polícia na Tunísia perseguiu e matou três supostos militantes islâmicos depois que atacaram dois policiais, matando um deles, na cidade costeira de Sousse neste domingo, 6, disseram as autoridades.

Há cinco anos, um militante do Estado Islâmico matou 39 estrangeiros em uma praia de Sousse, provocando um êxodo de turistas e prejudicando gravemente sua economia.

Desde então, a Tunísia se tornou mais eficaz na prevenção e resposta a ataques, dizem diplomatas estrangeiros, mas as células adormecidas ainda representam uma ameaça real ao país, especialmente com o retorno de jihadistas da Síria, Iraque e Líbia.

"Terroristas esfaquearam dois policiais no distrito de El Kantaoui, em Sousse. Um deles morreu. A polícia perseguiu os terroristas e os matou", disse Houssem Jbebli, porta-voz da Guarda Nacional.

De acordo com o Ministério do Interior, os suspeitos usaram um carro para bater em um posto policiais.

"As forças de segurança cercaram os terroristas e trocaram tiros com eles, matando os três terroristas", disse o ministério em um comunicado.

O ministro do Interior, Taoufik Charfeddine, foi ao local e ao hospital em Sousse para visitar o policial ferido, disse o ministério.

Kantaoui é um distrito cheio de hotéis atualmente vazios enquanto os turistas ficam longe durante a pandemia do coronavírus.

O último ataque sério na Tunísia foi em março, quando dois militantes em uma motocicleta se explodiram em frente à Embaixada dos Estados Unidos em Túnis, matando um policial e ferindo vários outros.

Centenas de tunisianos viajaram para o Iraque, Síria ou Líbia nos últimos anos para aderir ao Estado Islâmico e, em 2016, membros do grupo invadiram a fronteira com a Líbia e lutaram contra o exército em uma cidade fronteiriça, mas foram repelidos.

Tudo o que sabemos sobre:
Tunísia [África]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.