Polícia de Bogotá acusa Farc de assassinar senadora

A senadora colombiana Martha CatalinaDaniels, do Partido Liberal, foi assassinada a tiros, com outrasduas pessoas que a acompanhavam, no sábado em uma área ruralperto de Bogotá, informou hoje, a polícia colombiana, queatribuiu o crime ao movimento rebelde Forças ArmadasRevolucionárias da Colômbia (Farc). "Os primeiros dados apurados pelos investigadores indicam queo ataque foi obra dos guerrilheiros da Frente 22 das Farc queoperam na região e em ocasiões anteriores haviam entrado emcontato com a parlamentar", informou o coronel Alvaro Sandoval,chefe de polícia do departamento (província) de Cundinamarca, doqual Bogotá é a capital. Segundo Sandoval, aparentemente a senadora saiu de Bogotá nosábado pela manhã sem escolta para tentar negociar com as Farc alibertação de várias pessoas seqüestradas pelo grupo rebeldequando seu carro foi interceptado na estrada perto da localidadede Zipacón, 40 quilômetros ao norte de Bogotá. Junto com Martha foram assassinados seu motorista, CarlosLozano, e Ana Medina, mulher de um comerciante seqüestrado hávários meses pela guerrilha, informou a polícia. Cada um doscorpos apresentava "tiros de misericórdia" na cabeça e sinaisde tortura, revelou o coronel Sandoval. Os cadáveres foram encontrados no sábado no fundo de umaribanceira de 50 metros. O prefeito de Zipacón, BernardoGonzález, disse crer que os três foram assassinados em outrolocal e depois levados para a ribanceira, já que camponeses daregião encontraram os corpos depois de terem seguido rastros desangue. Martha era uma polêmica senadora que esteve no centro deimportantes debates sobre corrupção desde 1995. Alegando terrecebido ameaças da guerrilha, a senadora se ausentou váriosmeses da Colômbia, reassumiu suas funções legislativas no anopassado, mas optou por não tentar a reeleição. A Colômbia realizará eleições parlamentares no domingo que veme presidenciais, em 26 de maio. A ruptura de diálogo com as Farc não alterou a intenção devoto dos colombianos. Segundo uma pesquisa de opinião divulgadahoje pelo jornal de Bogotá El Tiempo, o candidato presidencialdireitista Alvaro Uribe continua em primeiro lugar, com 59,5%dos votos. Uribe, dissidente do Partido Liberal, contava com 53% de apoiodos eleitores em outra pesquisa divulgada em 14 de fevereiro. Uribe aumentou em cerca de 20 pontos porcentuais sua vantagemsobre o liberal Horacio Serpa, que agora conta com 24% dapreferência do eleitorado. A independente Noemí Sanín e o líder de esquerda, Luis EduardoGarzón, têm 5,1% e 1,2%, respectivamente, segundo a pesquisa doinstituto Napoléon Franco. A candidata independente Ingrid Betancourt, seqüestrada há dezdias por um comando das Farc, aparece com apenas 0,7% dasintenções de voto. Com relação às eleições parlamentares, alguns candidatos elíderes políticos disseram hoje não haver garantias pararealizar eleições limpas devidos às violentas pressões deguerrilheiros de esquerda, paramilitares de direito e subornosdo narcotráfico. No entanto, o presidente Andrés Pastrana garantiu que aseleições parlamentares serão realizadas no próximo domingo emmeio a um severo plano de segurança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.