Polícia de Hong Kong remove barricadas

Polícia de Hong Kong remove barricadas

Ativistas não reagem e se deslocam do centro para outras áreas da cidade, onde forças do governo voltam a agir

HONG KONG, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2014 | 02h02

Centenas de policiais de Hong Kong usaram marretas e serras elétricas para desmontar barricadas do movimento pró-democracia perto de edifícios do governo e de áreas do centro financeiro, desimpedindo uma das principais ruas da cidade pela primeira vez desde o início dos protestos, duas semanas atrás.

Em um revés para os manifestantes, o trânsito voltou a fluir livremente pela Queensway após a retirada das barricadas e acampamentos. Mas outros locais de concentração de protestos permaneceram intactos nos bairros de Admiralty e Mong Kok, numa demonstração de resistência dos manifestantes pró-democracia.

"Vamos reconstruí-las depois que a polícia as retirar", disse o manifestante Bruce Sze. "Não vamos enfrentar a polícia fisicamente."

Diferentemente de segunda-feira, quando choques entre grupos contrários aos protestos e ativistas pró-democracia irromperam após a retirada de barricadas pela polícia, a operação de ontem não resultou em confrontos.

No entanto, as tensões devem se ampliar hoje, quando motoristas de táxi, que alegam uma perda de cerca de 50% em suas corridas, ameaçam remover as barricadas, caso os manifestantes não as retirem. Motoristas de caminhões também fizeram ameaças.

Taxistas e caminhoneiros estão entre os que tentaram desmontar as barricadas na segunda-feira, quando centenas de pessoas, algumas usando máscaras cirúrgicas e carregando pés de cabra e ferramentas de corte, destruíram barricadas e entraram em choque com manifestantes.

"A reabertura (da Queensway) é melhor do que nada, já que permite mais opções aos motoristas", disse o taxista Li Hung-on, de 53 anos. "Mas ainda não é bom o bastante e o trânsito vai continuar muito pesado."

Os manifestantes, a maioria estudantes, pedem uma democracia plena para a antiga colônia britânica, mas o impasse de duas semanas imposto por eles tem causado caos no trânsito e alimentado certa frustração no centro financeiro, esvaziando assim parte do apoio da população.

Em outro incidente, centenas de policiais retiraram manifestantes pró-democracia de um túnel próximo à sede do governo de Hong Kong na mais recente escalada de tensões em uma semana de crise política.

Policiais, muitos deles com farda de combate e usando spray de pimenta contra os ativistas, derrubaram barricadas e outros obstáculos de concreto em torno da passagem subterrânea.

A operação foi feita horas depois que um grande grupo de manifestantes bloqueou o túnel, expandindo a zona de protesto depois de serem retirados de outras áreas. Eles estavam em maior número que os policiais, que voltaram depois com reforços. / AP e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Hong Kong

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.