Polícia de Israel começa a retirar colonos de assentamento

Cerca de 800 policiais israelenses começaram nesta quarta-feira, 28, a remover os cerca de 350 ultradireitistas instalados desde a segunda-feira, 26, no antigo assentamento de Homesh, na Cisjordânia, desalojado em 2005 conforme o "Plano de Retirada" do governo.Segundo informou um porta-voz policial, Mickey Rosenfeld, "não houve nenhum confronto nem resistência" e "até agora todos estão se retirando pacificamente".Os ocupantes, acrescentou, estão sendo transportados em ônibus para outra região, pois sua presença no local é "ilegal".Dúzias de adolescentes receberam com música e dança as forças de segurança que se aproximavam, informa o site do jornal israelense Yedioth Ahronoth.Um comandante policial tinha avisado aos radicais nacionalistas por alto-falante que quem se recusasse a abandonar o lugar pacificamente seria retirado à força.Na terça-feira, 27, no segundo dia desde a chegada dos colonos ao antigo assentamento de Homesh, houve discussões entre eles e as forças de segurança. Cerca de 15 israelenses e um grupo de jovens palestinos se enfrentaram com pedras lançadas de longe, sem causar feridos, informou o Exército israelense.O confronto começou quando jovens palestinos lançaram pedras contra os radicais nacionalistas israelenses, que realizavam uma cerimônia de circuncisão na antiga colônia, proibida pela lei israelense no território da Cisjordânia.Homesh foi um dos quatro assentamentos judaicos da Cisjordânia abandonados em 2005 por determinação do então primeiro-ministro, Ariel Sharon. Atualmente só restam as suas ruínas.O primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, disse na segunda-feira que Israel não permitiria a volta de colonos ao assentamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.