Majdi Mohammed/AP
Majdi Mohammed/AP

Polícia de Israel é colocada em alerta para discurso de Abbas

Governo prevê protestos quando proposta de reconhecimento de Estado dor apresentada na ONU

estadão.com.br

22 Setembro 2011 | 19h49

JERUSALÉM - A polícia de Israel foi colocada em estado de alerta para a sexta-feira, anunciou nesta quinta, 22, uma fonte de segurança israelense. O motivo da medida é o temor de que o discurso do presidente da Autoridade Palestina (AP), Mahmoud Abbas, na Assembleia-Geral das Nações Unidas, gere protestos violentos, informa a agência AFP.

 

Veja também:
blog AO VIVO: 
Os discursos na ONU
tabela HOTSITE: A busca pelo Estado 
blog GUSTAVO CHACRA: O Estado palestino
lista ENTENDA: O que os palestinos buscam na ONU
especialESPECIAL: As disputas territoriais no Oriente Médio

 

A polícia também foi instruída a proibir o acesso de menores de 50 anos à Esplanada das Mesquitas, na cidade velha de Jerusalém, para prevenir a ocorrência de distúrbios depois das orações de sexta-feira, disse a fonte. Abbas deverá pedir o reconhecimento do Estado palestino na Assembleia-Geral, iniciativa que enfrenta forte resistência em Israel e nos Estados Unidos.

 

"A política destacará 22 mil homens em todo o país. Isso é mais de dois terços do total do efetivo", disse o porta-voz da polícia, Micky Rosenfeld. Já Arye Shalicar, capitão do Exército Israelense, disse que "as Forças Armadas estão prontas para agir em diversos cenários, mas recebeu instruções para atuar com moderação" para evitar um derramamento de sangue. Por isso, as forças israelenses atuantes na Cisjordânia ocupada receberam equipamentos para a dispersão de distúrbios.

 

Durante a semana, manifestações ocorreram de ambos os lados e houve confrontos em diversos pontos dos territórios palestinos. Parte dos protestos aconteceu em resposta ao discurso do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, feito na quarta-feira, quando ele reiterou que vetaria o reconhecimento palestino na ONU.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.