REUTERS/Mohamad Torokman
REUTERS/Mohamad Torokman

Ataques de palestinos deixam dois israelenses feridos em Jerusalém

No primeiro caso, uma mulher de 18 anos ficou gravemente ferida após atacar israelense na Cidade Velha de Jerusalém; no outro, um palestino foi morto após roubar a arma de um soldado

O Estado de S. Paulo

07 Outubro 2015 | 09h48

JERUSALÉM - As forças de segurança de Israel mataram nesta quarta-feira, 7, um palestino que esfaqueou um soldado - que ficou levemente ferido no ataque - na cidade de Kiryat Gat. Também nesta quarta, uma palestina atacou com uma faca um israelense na Cidade Velha de Jerusalém, na mesma rua onde aconteceu um ataque com dois mortos no sábado, informou a polícia de Israel.

"As informações iniciais indicam que o suspeito esfaqueou um soldado e roubou sua arma. Ele foi levemente ferido e levado para receber tratamento médico. As forças policiais neutralizaram o homem", disse o Exército de Israel em comunicado.

Segundo o porta-voz da Polícia, Micky Rosenfeld, o suspeito desceu de um ônibus e tomou a arma de um soldado, após atacá-lo com uma faca, provocando um corte na cabeça do militar. Já armado, ele correu para um edifício residencial para se esconder, até ser morto a tiros pelos policiais.

Esse incidente violento se soma a um ataque registrado na manhã desta quarta na Cidade Velha de Jerusalém, onde um homem israelense, de 35 anos, ficou levemente ferido após um ataque de uma palestina, que acabou baleada e está internada em estado grave.

Segundo a versão da Polícia de Israel, a palestina de 18 anos também tentou esfaquear o homem, mas ele estava armado e atirou na mulher. Testemunhas palestinas, porém, dizem que ela apenas empurrou o israelense.

A jovem, que por enquanto não foi identificada, é moradora de Tsur Baher, uma aldeia palestina na parte ocupada do sul de Jerusalém.

O ataque ocorreu a cerca de 150 metros do local onde, no sábado, um palestino, de 19 anos, matou dois israelenses e feriu outros dois. Já na última quinta-feira, outros dois israelenses foram mortos em um ataque no norte da Cisjordânia, baleados em um veículo por membros de uma célula do Hamas que acabaram presos.

A região vive uma escalada de tensão desde a última semana, quando foram registradas dezenas de revoltas violentas na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental que terminaram com a morte de dois palestinos, um deles de 13 anos, por disparos das forças de segurança de Israel.

Também morreram em operações das tropas israelenses dois palestinos de 19 anos - o autor dos assassinatos de sábado e o suspeito de ter cometido o outro ataque.

Originada na histórica disputa dos dois povos pelo região sagrada conhecida como Esplanada das Mesquitas ou Monte do Templo, sagrado para muçulmanos e judeus, a escalada pode sinalizar o início da terceira intifada.

Netanyahu. O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, cancelou nesta quarta-feira a visita que faria amanhã à Alemanha em razão da onda de violência entre israelenses e palestinos. Fontes do gabinete de Netanyahu confirmaram em uma breve mensagem que nestas circunstâncias "o primeiro-ministro fica em Israel para acompanhar de perto a situação".

O chefe do Executivo, que se reuniria com a chanceler Angela Merkel em um encontro pelo 50º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas entre os dois países, havia decidido ontem encurtar a visita a Berlim por causa da crise de segurança./ EFE

Mais conteúdo sobre:
IsraelPalestinaJerusalém

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.