Polícia de Israel ocupa mesquitas em Jerusalém

A polícia israelense ocupou neste domingo o complexo de mesquitas mais sensível de Jerusalém e lançou granadas contra muçulmanos que apedrejavam judeus que oravam no Muro das Lamentações. Pelo menos 15 policiais e 10 palestinos ficaram feridos durante enfrentamentos ocorridos no complexo, localizado no topo de uma colina, onde há 10 meses, depois de uma visita provocativa do atual primeiro-ministro Ariel Sharon, foi iniciada a atual onda de violência na região. Cerca de 400 policiais da tropa de choque israelense enfrentaram-se com centenas de jovens palestinos, que lançavam pedras contra judeus em uma área próxima às duas mesquitas que formam o complexo. Fontes palestinas afirmaram que as forças israelenses dispararam também balas recobertas com borracha, mas a informação foi negada pela polícia. O complexo, conhecido pelos muçulmanos como Nobre Santuário, é o terceiro local sagrado em importância para o Islã. Ele foi construído sobre as ruínas de dois templos judaicos bíblicos, o local mais sagrado para os judeus, que o denominam Monte do Templo. A operação policial durou cerca de dois minutos, mas a tensão continuou na área, especialmente por tratar-se do Tisha B´Av, o dia em que os judeus recordam a destruição dos templos judaicos no local, nos anos de 586 a.C. e 70 d.C. A confrontação deste domingo provocou vários protestos na Cisjordânia. Em uma área próxima à cidade de Ramallah, três palestinos e dois soldados israelenses ficaram feridos em uma troca de tiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.