AP Photo/Alastair Grant
AP Photo/Alastair Grant

Polícia de Londres identifica 6 corpos de vítimas do incêndio na Torre Grenfell

Comandante da polícia afirmou que ‘existe o risco’ de as equipes não conseguirem identificar todos os mortos; Theresa May disse que haverá uma investigação oficial para esclarecer a origem do fogo

O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2017 | 15h13

LONDRES - Corpos de 6 dos 17 mortos no incêndio ocorrido na quarta-feira em um prédio residencial na capital do Reino Unido foram identificados nesta quinta-feira, 15, informou o comandante da Polícia Metropolitana de Londres (Met), Stuart Cundy.

"Existe o risco de, infelizmente, não conseguirmos identificar todos", afirmou Cundy.

O fogo destruiu a Grenfell Tower, um prédio de 120 apartamentos e 24 andares que ficava no oeste de Londres e no qual moravam entre 400 e 600 pessoas. Outras 30 ainda seguem hospitalizadas, 15 delas em estado crítico.

A comandante dos bombeiros de Londres, Dany Cotton, disse que há partes do prédio que não são seguras e levará tempo para inspecionar todos os andares. "Há um número desconhecido de pessoas dentro do edifício, mas seria um milagre que estivesse alguém vivo", explicou ela à Sky News. "Vai levar semanas até o prédio ser inspecionado adequadamente."

Algumas das várias famílias que viviam no bloco onde o fogo se iniciou foram hospedadas em hotéis. A Câmara Municipal de Kensington agora tenta encontrar novas moradias para algumas dessas pessoas, que fazem parte de um programa governamental de habitação.

A polícia ainda tenta determinar as causas do incêndio. A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, afirmou que haverá uma investigação oficial para esclarecer a origem do fogo.

Em uma declaração à rede BBC em Downing Street, a premiê afirmou que as circunstâncias desta "terrível tragédia" serão examinadas adequadamente até obter "todas as respostas" após queixas de alguns vizinhos sobre a segurança do edifício. A líder do Partido Conservador realizou uma visita ao bairro onde está localizado o prédio.

"Devemos isso às famílias, às pessoas que perderam seus entes queridos e seus domicílios", afirmou May.

Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista, também esteve no local e afirmou que a verdade deve ser revelada após conversar com voluntários que colaboram nos trabalhos de ajuda às vítimas.

Mais de 60 toneladas de doações - entre roupas, itens básicos, entre outros - para as vítimas foram recebidas pela mesquita de Al Manaar, que fica perto do imóvel. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.