Polícia de Marrocos desmantela rede que vendia recém-nascidos na França

Polícia de Marrocos desmantela rede que vendia recém-nascidos na França

Crianças eram vendidas por valores entre 1 mil e 2 mil euros. Intermediária entrava em contato com mulheres grávidas de baixos recursos e prometia dinheiro se elas lhe entregassem seus bebês 

O Estado de S. Paulo

08 Abril 2016 | 10h53

RABAT - A polícia marroquina desmantelou uma rede que vendia crianças recém-nascidas a famílias francesas após pagamentos prévios de entre 1 mil e 2 mil euros, informou nesta sexta-feira, 8, o jornal Asabah.

A rede, dirigida por um marroquino residente na França, tinha seu centro em Kenitra, a 40 km ao norte de Rabat. A intermediária entrava em contato com mulheres grávidas de baixos recursos às quais prometia uma quantidade de dinheiro se lhes entregassem seus bebês após o parto e registrá-los em seu nome.

Os traficantes prometiam entregar as crianças posteriormente, uma vez que contassem com um passaporte francês, mas na realidade elas eram "vendidas" na França a outras famílias por quantias de entre 1 mil e 2 mil euros.

Uma mãe que aceitou a oferta foi informada pela intermediária de que seu filho havia morrido na França e já estava enterrado, mas ao exigir provas e não obtê-las, a denunciou perante a Procuradoria Geral.

A intermediária foi detida em uma de suas frequentes viagens para o Marrocos. A polícia descobriu que ela usava um passaporte do qual faltavam quatro páginas.

Há pelo menos dois casos de venda de bebês protagonizados por essa intermediária, que contou supostamente com a cumplicidade de várias pessoas, tanto na Maternidade como no Cartório Civil, para poder realizar a falsificação dos documentos e que agora são ativamente procuradas. /EFE

Mais conteúdo sobre:
Marrocos crianças França

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.