Sang Tan/Arquivo/AP
Sang Tan/Arquivo/AP

Polícia de Portugal reabre caso do desaparecimento de Madeleine

Pais da menina britânica esperam que a filha seja encontrada a partir das novas provas da investigação

Agência Estado

24 de outubro de 2013 | 15h13

LISBOA - Mais de seis anos após o desaparecimento da menina Madeleine McCann, o Ministério Público de Portugal ordenou que a polícia retome a investigação sobre o caso após encontrar novas evidências. Assessores do procurador-geral do Ministério Público não foram encontrados para comentar o assunto. A investigação ocorre sob sigilo judicial.

Os pais de Madeleine, Kate McCann e Gerry McCann, mantiveram, durante todo esse tempo, sua campanha para que a investigação em Portugal continuasse. Em entrevista concedida nesta quinta-feira, 24, eles disseram estar "muito satisfeitos com a decisão". "Esperamos que agora, finalmente, a Madeleine seja encontrada e que descubram o responsável por esse crime", disseram.

A polícia portuguesa decidiu encerrar o caso em 2008, após as autoridades não detectarem nenhum crime. Em março de 2011, uma equipe de detetives da cidade do Porto, que não esteve envolvida no inquérito inicial, começou a rever as provas.

Detetives britânicos dizem que é possível que Madeleine ainda esteja viva. Dez dias atrás, a polícia de Londres divulgou uma imagem gerada por computador de um possível suspeito pelo desaparecimento da menina, então com três anos.

Segundo a polícia, as imagens foram feitas a partir de informações de testemunhas que viram um homem no resort português onde a família McCann estava hospedada no dia em que a menina foi vista pela última vez.

A Scotland Yard disse, em comunicado, que a investigação dos portugueses será executada paralelamente aos esforços da polícia britânica, com viagens programas regularmente a Portugal. "As duas investigações ainda estão em estágio inicial, com muito trabalho a ser feito". "Este novo momento é encorajador, mas ainda temos muito caminho a percorrer."/ AP

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.